Maria Flor Pedroso entrevista Filipe Almeida

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Filipe Almeida

Foto: Antena1

Filipe Almeida, presidente da Portugal Inovação Social, em entrevista à Antena1 a propósito da Aldeia de Inovação Social – que aconteceu esta semana na Aldeia da Cerdeira - diz que até ao final do ano vão ser aprovados mais projetos, porque até agora só se aplicaram 12 milhões de Euros, em 137 projetos, de um orçamento global de 150 milhões de Euros.

Brevemente, anuncia Filipe Almeida, vão ser aprovados muitos mais projetos. Ainda falta o mais poderoso instrumento financeiro que é o Fundo para a Inovação Social. Este fundo tem a particularidade de obrigar a reembolso do apoio recebido. E é pioneiro na Europa.

A Aldeia da Cerdeira, uma das aldeias de xisto, foi esta semana uma aldeia “atelier” com vários projetos de Inovação Social a ocuparam as casas e as ruas. Filipe Almeida explica a forma como alguns dos cerca de centena e meia de projetos que já estão no terreno, foram apresentados a possíveis investidores, numa "espécie de ateliers ao vivo em workshops interativos" para as pessoas poderem experimentar.

Um desses projetos é o EKUI, uma aprendizagem de leitura através de cartões para crianças no 1º. ciclo. Neste momento há cerca 2500 crianças que aprendam a ler em 4 línguas em simultâneo: em português, em Braille, língua gestual portuguesa e fonética. Quem sabe, diz Filipe Almeida, se no futuro os políticos não vão acompanhar os seus discursos com língua gestual portuguesa, "seria uma pequena revolução na forma como nos relacionamos uns com os outros".

A ideia é que estes projetos se transformem em políticas públicas e que dispensem o apoio da Portugal Inovação Social. A inovação social dirige-se a públicos vulneráveis "que não conseguem pagar o preço desse serviço por isso é que é necessário apoio público ou privado para que estes projetos ganhem escala”.

Pode ver aqui na íntegra esta entrevista de Filipe Almeida a Maria Flor Pedroso:


A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.