Maria Flor Pedroso entrevista Rui Rio

| Maria Flor Pedroso
Maria Flor Pedroso entrevista Rui Rio

PSD com Rui Rio abre-se a entendimentos

À jornalista Maria Flor Pedroso o candidato à liderança do PSD afirma, tal como António Costa, que se for líder do partido e tiver maioria absoluta em 2019 pretende entendimentos com outros partidos (CDS e PS) para fazer reformas necessárias. Exemplifica com a Segurança Social e o ensino.

Sobre entendimentos pós-eleitorais, Rui Rio não fecha portas. Reafirma que uma solução de Bloco Central "só faz sentido em situações excecionais que não prevejo", mas deixa em aberto "a forma como se consegue fazer um governo estável. A seguir (às eleições) logo se verá".

Rui Rio elogia o sentido de Estado e o bom senso do primeiro-ministro por não se ter demitido na sequência das tragédias dos fogos do verão: "Lançava o país numa crise brutal".

Apesar disso, justifica o voto favorável do PSD à moção de censura do CDS porque estava garantido à partida que o Governo não iria cair. Reconhece que o ocorrido neste verão é resultado de "ineficácia estrutural que se arrasta ao longo dos anos".

Rui Rio acredita que é possível revitalizar o PSD com pessoas que se afastaram e agora voltaram, com o melhor das universidades, sem perder os valores do défice e da dívida. E deixa uma garantia: se o PSD fosse poder agora, não estava a governar para o presente como está Costa refém da extrema-esquerda.

Pode ver esta entrevista na íntegra aqui: 



A informação mais vista

+ Em Foco

O homem que se deixa guiar mais pela racionalidade e disciplina considera que chegou o momento de “mobilizar os portugueses e com eles restabelecer a confiança num futuro melhor”.

    Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

      Em entrevista ao programa Visão Global da Antena 1, o ministro dos Negócios Estrangeiros reforça o apoio ao diálogo político na Venezuela e falou sobre as relações entre Portugal e Angola.

      O ministro da Administração Interna garante em entrevista à Antena 1 que não será "nem para o ano, nem daqui por dois" que ser resolve o problema dos incêndios em Portugal.