Advogados da gigante brasileira JBS dizem que prisão de Wesley Batista foi "injusta e absurda"

| Mundo

Os advogados do presidente da gigante brasileira exportadora de carnes JBS, Wesley Batista, classificaram hoje a prisão de seu cliente como "injusta, absurda e lamentável", num comunicado.

Wesley Batista foi preso hoje, acusado de usar informações privilegiadas para conseguir vantagens no mercado financeiro antes do envolvimento da sua empresa num escândalo de corrupção que abalou o Governo do Brasil.

O presidente da JBS é suspeito de se ter enganado ilegalmente vendendo ações da JBS e comprando dólares americanos entre 24 de abril e 17 de maio, dia da divulgação explosiva que comprometeu o chefe de Estado brasileiro, Michel Temer, após um acordo de colaboração com as autoridades policiais.

O depoimento do irmão do Presidente da JBS, Joesley Batista, desencadeou uma crise política sem precedentes porque gravou e enviou às autoridades policiais do Brasil uma conversa secreta que teve com o Presidente Temer na qual confessa ter praticado diversos crimes sem ser repreendido.

Em maio deste ano, os irmãos Batista assinaram um acordo com o Ministério Público brasileiro comprometendo-se a confessar os crimes que cometeram em troca de imunidade.

Os empresários prestaram diversos depoimentos e explicaram aos investigadores da Operação Lava Jato como funcionava uma vasta rede de corrupção que envolveu a JBS e políticos importantes do Brasil.

No entanto, os benefícios do acordo foram suspensos depois que a acusação ter acesso a uma gravação de uma conversa entre Joesley Batista e um executivo da JBS, na qual afirmam que omitiram informações durante as declarações às autoridades.

Tópicos:

Wesley Batista,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.