Ambientalistas ibéricos em comboio contra exploração de urânio junto à fronteira

| Mundo

Associações ambientalistas ibéricas promovem neste fim de semana uma viagem de comboio contra a instalação de uma mina de urânio em Retortillo, junto à fronteira portuguesa, indicou hoje à Lusa fonte ligada à iniciativa.

Este protesto é organizado conjuntamente pela Plataforma Stop Urânio, sediada em Salamanca (Espanha), e pelas associações portuguesas QUERCUS e AZU (Associação Ambiente em Zonas Uraníferas).

"A marcha ibérica vai acontecer ao longo da linha de comboio que percorre o Vale do Douro, desde o Pocinho até ao Porto, e com paragem na Régua", avançou a fonte.

Segundo os promotores da marcha ibérica, a iniciativa acontece numa altura em que se assinalam 20 anos do desastre de Aznalcóllar (Espanha), provocado por " uma bolsa mineira que contaminou as águas de uma rio e solos.

"É importante recordar que o desenvolvimento de projetos de mineração de urânio a céu aberto do outro lado da fronteira pode representar um tremendo risco para a vida do rio Douro e dos seus habitantes", frisam os ambientalistas envolvidos nesta ação.

No caso de este projeto avançar, segundo os especialistas, Portugal também deverá ser afetado com a poeira radioativa e o gás radão que serão emitidos pelas minas de urânio que a Berkeley Minera planeia abrir em Retortillo, Salamanca.

Segundo a Agência Portuguesa do Ambiente, o projeto de exploração mineira de urânio em Retortillo é "suscetível de ter efeitos ambientais significativos em Portugal", pela proximidade com a fronteira e tendo em "atenção a direção dos ventos" de Este e Nordeste.

"Em 16 de março, teve lugar um debate na Assembleia da República sobre a mina de Retortillo, em que todos os grupos parlamentares foram unânimes ao exigir firmeza por parte do Governo português, na defesa do território e das suas populações, face à ameaça que pende sobre Portugal, e em especial sobre toda a zona do Douro", recorda a plataforma ambientalista ibérica.

A organização conjunta desta Marcha Ibérica pretende dar a conhecer à opinião pública portuguesa a problemática e os perigos que implica para Portugal a instalação de uma mina de urânio e uma fábrica de concentrado no Campo Charro de Salamanca, de modo a sensibilizar toda a sociedade para esta questão.

As três associações ambientalistas ibéricas envolvidas na organização da marcha defendem que é necessário que o processo da mina de urânio de Retortillo seja suspenso de imediato e se realize uma avaliação de impacte ambiental transfronteiriça, conforme a legislação em vigor.

A organização ambiental espanhola "Plataforma Stop Urânio" já se havia congratulado por o Parlamento português ter instado o executivo de Lisboa a pressionar Madrid a cessar a exploração de urânio em Espanha até a população portuguesa ser consultada.

Tópicos:

Aznalcóllar, Charro, Nordeste, QUERCUS, Retortillo, Salamanca,

A informação mais vista

+ Em Foco

Entrevistada no Telejornal, a ministra da Saúde admitiu que reunir o consenso do PSD "não foi algo que tenha passado pelas preocupações do Governo".

A fronteira entre a Irlanda do Norte e a República da Irlanda continua a ser a maior dor de cabeça interna de Theresa May.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.