Argélia corta ligação à internet para alunos não copiarem nos exames

| Mundo

Todas as ligações são afetadas, tanto as fixas como as móveis
|

Nos dois últimos anos o país viu-se confrontado com um movimento massivo de alunos que copiaram nos exames. Para resolver a situação, o acesso à internet foi desligado em todo o país.

O corte é geral. Durante a semana dos exames nacionais, ninguém no país consegue ter acesso à internet, num período que pode ir até às três horas por dia. A medida foi posta em prática depois dos exames dos dois últimos anos.

Em 2016 as perguntas e respostas dos exames foram colocadas nas redes sociais antes, ou logo a seguir, à realização das provas. No ano seguinte, o Ministério da Educação tomou medidas. O acesso às redes sociais foi bloqueado e os estudantes que chegavam atrasados eram obrigados a realizar uma outra prova, numa data diferente.

No entanto, isso não foi suficiente para impedir os alunos de copiarem nos exames.

Por essa razão, o Ministério fez um acordo com a operadora pública de telecomunicações argelina: a Algérie Telecom corta a ligação à internet durante o período de exames, voltando a retomá-la assim que estes terminam.

Por essa razão, a operadora publicou um horário: quarta-feira a internet foi desligada três vezes, uma hora de cada vez; quinta e sexta-feira, sábado, domingo e segunda-feira o acesso é bloqueado duas vezes ao dia, também por uma hora de cada vez.

Segundo a operadora, a medida foi posta em prática “de acordo com instruções do Governo, por forma a assegurar que os exames de acesso ao diploma de secundário decorram normalmente”.

Iraque já impôs restrições semelhantes

Há quem considere a medida excessiva. É o caso de Lyès Rekkeb, um designer informático de 28 anos que declara a The Guardian que a decisão vai “para além do ridículo”.

“Para mim, e para muitas pessoas como eu, é uma grande inconveniência. Perco metade de um dia de trabalho”, declara o designer ao órgão de comunicação social.

Mas apesar dos inconvenientes, valores mais altos se levantam.

“Temos de fazer isto – é um caso de força maior. Sabemos que desligar todas as ligações é um grande passo. Mas não podemos ficar de braços cruzados”, afirmou a ministra da Educação, Nouria Benghabrit-Remaoun, em declarações ao El Watan, um jornal argelino.

Todas as ligações são afetadas, tanto as fixas como as móveis. O acesso ao Facebook é completamente cortado durante os períodos de exame.

A Argélia não é a primeira a impor estas medidas. Há três anos consecutivos que o Iraque impõe restrições semelhantes. Na Etiópia é bloqueado o acesso às redes sociais. Para além destes países, a Síria, a Mauritânia, o Uzbequistão e vários Estados indianos bloqueiam o acesso à internet.

Tópicos:

alunos, Argélia, Educação, Ministério, bloqueio, copiar, corte, exames, internet, operadora, pública, redes, secundário, sociais, telecomunicações,

A informação mais vista

+ Em Foco

O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.

    Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

      Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

        Os novos desenvolvimentos no diferendo comercial entre os Estados Unidos e a China vieram lançar ainda mais dúvidas sobre os próximos passos que os dois lados poderão adotar.