Argélia corta ligação à internet para alunos não copiarem nos exames

| Mundo

Todas as ligações são afetadas, tanto as fixas como as móveis
|

Nos dois últimos anos o país viu-se confrontado com um movimento massivo de alunos que copiaram nos exames. Para resolver a situação, o acesso à internet foi desligado em todo o país.

O corte é geral. Durante a semana dos exames nacionais, ninguém no país consegue ter acesso à internet, num período que pode ir até às três horas por dia. A medida foi posta em prática depois dos exames dos dois últimos anos.

Em 2016 as perguntas e respostas dos exames foram colocadas nas redes sociais antes, ou logo a seguir, à realização das provas. No ano seguinte, o Ministério da Educação tomou medidas. O acesso às redes sociais foi bloqueado e os estudantes que chegavam atrasados eram obrigados a realizar uma outra prova, numa data diferente.

No entanto, isso não foi suficiente para impedir os alunos de copiarem nos exames.

Por essa razão, o Ministério fez um acordo com a operadora pública de telecomunicações argelina: a Algérie Telecom corta a ligação à internet durante o período de exames, voltando a retomá-la assim que estes terminam.

Por essa razão, a operadora publicou um horário: quarta-feira a internet foi desligada três vezes, uma hora de cada vez; quinta e sexta-feira, sábado, domingo e segunda-feira o acesso é bloqueado duas vezes ao dia, também por uma hora de cada vez.

Segundo a operadora, a medida foi posta em prática “de acordo com instruções do Governo, por forma a assegurar que os exames de acesso ao diploma de secundário decorram normalmente”.

Iraque já impôs restrições semelhantes

Há quem considere a medida excessiva. É o caso de Lyès Rekkeb, um designer informático de 28 anos que declara a The Guardian que a decisão vai “para além do ridículo”.

“Para mim, e para muitas pessoas como eu, é uma grande inconveniência. Perco metade de um dia de trabalho”, declara o designer ao órgão de comunicação social.

Mas apesar dos inconvenientes, valores mais altos se levantam.

“Temos de fazer isto – é um caso de força maior. Sabemos que desligar todas as ligações é um grande passo. Mas não podemos ficar de braços cruzados”, afirmou a ministra da Educação, Nouria Benghabrit-Remaoun, em declarações ao El Watan, um jornal argelino.

Todas as ligações são afetadas, tanto as fixas como as móveis. O acesso ao Facebook é completamente cortado durante os períodos de exame.

A Argélia não é a primeira a impor estas medidas. Há três anos consecutivos que o Iraque impõe restrições semelhantes. Na Etiópia é bloqueado o acesso às redes sociais. Para além destes países, a Síria, a Mauritânia, o Uzbequistão e vários Estados indianos bloqueiam o acesso à internet.

Tópicos:

alunos, Argélia, Educação, Ministério, bloqueio, copiar, corte, exames, internet, operadora, pública, redes, secundário, sociais, telecomunicações,

A informação mais vista

+ Em Foco

O economista guineense Carlos Lopes considera que a Europa tem discutido as migrações e outras questões africanas, sem consultar os africanos.

    A revelação foi feita durante uma entrevista exclusiva à RTP à margem da cimeira de CPLP, que decorreu esta semana em Cabo Verde.

    Em entrevista à RTP, Graça Machel revela que o grande segredo de Nelson Mandela era fazer sentir a cada pessoa com quem falava que era a mais importante.

    Apesar da legislação contra estas situações, os Estados Unidos são dos países que mais importam produtos em risco de serem produzidos através de trabalhos forçados.