Arguido do ataque a mercado de Natal de Estrasburgo condenado a 30 anos de prisão

por Lusa

O principal arguido no julgamento do ataque ao mercado de Natal de Estrasburgo, em França, foi hoje condenado a 30 anos de prisão efetiva, com um período mínimo de cumprimento de dois terços da pena.

O ataque provocou cinco mortos e onze feridos em dezembro de 2018.

Audrey Mondjehi, um costa-marfinense de 42 anos, foi considerado culpado de conspiração terrorista devido à sua "grande proximidade" com o autor do ataque, Chérif Chekatt, morto pela polícia, e porque "tinha conhecimento da [sua] radicalização violenta", declarou o presidente do Tribunal de Justiça de Paris.

O arguido era acusado, entre outras alegações, por ter ajudado o jihadista autor do ataque a obter uma arma.

Por outro lado, foi considerado inocente de cumplicidade em assassínios e tentativas de assassínios terroristas porque, se "sabia que os planos criminosos de Chérif Chekatt estavam a ser elaborados, desconhecia os modos exatos", estimou o júri, especialmente composto por magistrados profissionais.

Mondjehi foi ainda condenado a interdição definitiva de permanência em território francês.

Christian H. e Frédéric B,, processados por terem também desempenhado um papel de intermediários, mas de menor importância, foram considerados culpados de associação criminosa, nos termos do direito comum.

Foram condenados, respetivamente, a cinco anos de prisão, dos quais seis meses em pena suspensa, e quatro anos de prisão, dos quais um em pena suspensa. Como a parte efetiva da pena é coberta pelo tempo de prisão preventiva, já não regressam à prisão.

Um quarto acusado, Stéphane B,, foi absolvido, tendo o tribunal considerado que não lhe podia ser atribuída "qualquer participação ativa" nos factos.

Tópicos
pub