Austrália. Primeiro-ministro arrasa manifestantes "vegan"

| Mundo

O Governo ordenou às autoridades que avançassem com “toda a força” contra os ativistas
|

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, chamou os ativistas dos direitos dos animais que esta segunda-feira participaram em protestos vegetarianos de “vergonhosos” e “não-australianos”. No final da manifestação em Melbourne, dezenas de pessoas foram detidas.

Mais de 100 manifestantes concentraram-se em Melbourne, a partir das 7h00 locais, em protesto contra a indústria australiana de carne. Enfrentaram a repressão das autoridades. Os ativistas bloquearam o cruzamento das ruas Flinders e Swanston, empunhando cartazes com palavras de ordem: “Este é um protesto pacífico”.

Uma das ativistas presentes, Kristin Leigh, explicou à rede de televisão Australian Broadcasting Corporation que o objetivo do protesto era incentivar ao veganismo e travar o abuso animal. “Os animais estão a sofrer de maneiras que a maioria de nós nunca vai imaginar. Não se trata de gaiolas maiores. Trata-se da liberdade dos animais”, disse.

O Governo ordenou às autoridades que avançassem com “toda a força” contra os ativistas. Manifestantes que o primeiro-ministro apelidou de “criminosos de colarinho verde”.

O protesto terminou depois de a polícia ter convencido o grupo a abandonar o local. Contudo, 38 pessoas foram detidas. Horas antes da manifestação, foram ainda detidos nove ativistas vegetarianos numa onda de invasões a matadouros por toda a Austrália.
"Contra os interesses nacionais"

Scott Morrison criticou os ativistas, afirmando que estão a prejudicar a forma de subsistência dos agricultores. “Isto é apenas uma forma de ativismo que vai contra os interesses nacionais. Interesses esses que passam por agricultores poderem cultivar nos seus terrenos”, acrescentou.

O chefe do Executivo australiano disse ainda que a Austrália está preparada para apoiar ações legais de agricultores e proprietários de matadouros contra ativistas que invadiram as suas propriedades. Por sua vez, o Departamento de Agricultura disse que irá trabalhar com a polícia para tentar impedir mais ataques de ativistas dos direitos dos animais.

Também os talhos, segundo o Conselho da Indústria da Carne Australiana, estão a sofrer contínuos “ataques” de ativistas. “Isto tem de parar e tem de parar agora. Temos de olhar para os 99 por cento da população australiana que quer consumir carne”, disse o dirigente do Conselho Patrick Hutchinson.

De acordo com o Fórum Económico Mundial, a Austrália é o segundo país do mundo com maior consumo de carne individual, a seguir aos Estados Unidos. Mais de 40 por cento da produção agrícola australiana corresponde à indústria pecuária.

Tópicos:

Animais, Ativistas, Austrália, Direitos, Primeiro-ministro, Scott Morrison,

A informação mais vista

+ Em Foco

Meio século depois, o Parlamento soviético dos finais da Guerra Fria repudiou o Pacto. Decorridos mais 30 anos, Putin quer reabilitá-lo.

    A receita da venda desta madeira ultrapassará os 15 milhões de euros, que devem ser investidos na nova Mata do Rei.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.