Austrália vai criar superministério para a segurança interna

| Mundo

O primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, anunciou hoje que vai concentrar num único Ministério a direção política da polícia e agências de Segurança interna do país.

O ministro do Interior australiano, Peter Dutton, vai ver a sua tutela reforçada com as competências da Polícia Federal, Polícia Fronteiriça e agência de serviços secretos, ASIO, no âmbito desta reforma, cuja implementação vai demorar um ano.

Turnbull justificou a medida como necessária para abordar a complexidade e rápida evolução dos desafios na segurança que o país enfrenta, incluindo o terrorismo doméstico, o crime organizado internacional e os crimes cibernéticos.

"Necessitamos destas reformas não porque o sistema não funcione, mas porque o nosso ambiente de segurança evolui com rapidez", disse Turnbull numa conferência de imprensa transmitida pela estação ABC.

"Quando se trata da nossa segurança nacional, devemos ir um passo à frente dos riscos que nos ameaçam. Não há lugar para a complacência", acrescentou.

Turnbull disse que a medida representa a maior reforma na segurança interna em 40 anos e garantiu que a criação do "superministério" toma decisões semelhantes às de outros países como o Reino Unido.

Isto inclui a criação de um escritório de inteligência nacional que atuará como coordenador e um novo centro para a cibersegurança.

A reforma foi aprovada apesar da resistência inicial da procuradora-geral, George Brandis, da ministra dos Negócios Estrangeiros, Julie Bishop, e do ministro da Justiça, Michael Kenan, que perdem competências.

Em setembro de 2014, a Austrália elevou para alto o alerta terrorista e aprovou uma série de leis antiterroristas para evitar atentados no seu território.

Desde então a Austrália sofreu cinco ações violentas e frustrou 12 planos para cometer atentados.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.