China. ONU pede às autoridades respeito pelo direito à manifestação pacífica

por Antena 1

Tyrone Siu - Reuters

O Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos reagiu à onda de protestos que se tem registado em várias cidades da China contra as restrições em vigor no âmbito do combate à pandemia de covid-19.

As Nações Unidas apelam a Pequim para que respeite as leis internacionais, evitando a detenção arbitrária de manifestantes, que apenas estão a expressar opiniões.

Esta segunda-feira, também o ministro britânico dos Negócios Estrangeiros, James Cleverly, aconselhou o Governo chinês a prestar atenção a estes protestos nas ruas.

O chefe da diplomacia do Reino Unido destacou a coragem dos manifestantes que têm protestado, na China, contra a política “zero covid”, que implica a imposição de confinamentos sucessivos e de testagem massiva.

Também esta tarde, os Estados Unidos salientaram o respeito pelo direito a manifestações pacíficas, incluindo na China.

Um porta-voz do Conselho de Segurança Nacional foi hoje questionado sobre os protestos em território chinês. Washington diz apenas que os Estados Unidos reconhecem o direito à manifestação em qualquer local do planeta, sem exceção.
pub