China. Quem é Zhang Gaoli, o alegado abusador da tenista Peng Shuai

por RTP
A acusação de Peng Shuai a Zhang Gaoli é a primeira deste género feita a um dirigente do partido DR

Apesar de a tenista Peng Shuai ter aparecido em público no último fim de semana, o antigo vice-primeiro-ministro chinês Zhang Gaoli continua a levar uma vida discreta, como quase todos os políticos daquele país na reforma. Acusado de ter obrigado a estrela de ténis a um envolvimento sexual há três anos, tanto Gaoli como o gabinete de informação do Conselho de Estado têm permanecido em silêncio.

Deixar Zhang aparecer para falar iria resultar em danos reputacionais indesejados antes dos Jogos de Inverno”, observa o professor de direito Alfred Wu, da Universidade de Singapura, citado pela agência Reuters. “Mesmo que o partido decida iniciar uma ação disciplinar interna contra Zhang, não será anunciado imediatamente; vão esperar que a tempestade passe primeiro, para mostrar força", acrescentou.

Já o antigo professor da Universidade de Xangai Chen Daoyin considera que o silêncio é a única opção de Gaoli, que este mês completa 75 anos. "Se negar, não terá credibilidade, porque em resultado da campanha anti-corrupção de Xi [Jinping], agora todos na China sabem que é comum as autoridades chinesas usarem o poder para ter sexo", disse Chen.
 
Nos últimos nove anos, o presidente Xi Jinping tem promovido uma campanha de combate à corrupção e exige que os dirigentes do partido "sejam capazes de passar nos mais difíceis testes" de moral política, profissional e familiar.

Por isso, o silêncio tem sido a única resposta às mais variadas acusações feitas a antigos líderes do regime, sejam de corrupção ou de casos extramatrimoniais.

Onde está Zhang Gaoli?

Reformado desde 2018, Zhang Gaoli foi visto em público pela última vez em pública no dia 1 de julho, nas muralhas da Cidade Proibida, durante as celebrações do centenário da fundação do Partido Comunista chinês.

Entre 2013 e 2018, ano em que se reformou, foi responsável pelas questões económicas e liderou um pequeno grupo que supervisionava os Jogos Olímpicos de Inverno. No âmbito destas funções, encontrou-se em 2016 com o presidente do Comité Olímpico Internacional, a quem garantiu que “os Jogos de Inverno de Pequim de 2022 seriam fantásticos, extraordinários e excelentes”. Já Thomas Bach aparece numa imagem, este fim de semana, a conversar por videochamada com a tenista Peng Shuai, mas não escapa às acusações de participação no branqueamento de uma possível violação dos direitos humanos.

Nos cinco anos anteriores, Gaoli conduziu a outrora provinciana cidade de Tianjin à região de mais rápido crescimento da China.

Foi durante este período que Gaoli começou a encontrar-se com Peng Shuai, agora com 35 anos. Na sua publicação na rede social Weibo – apagada pouco depois e que deu origem ao bloqueio do tema na China -, Peng Shuai revelou que voltaram a reencontrar-se após a reforma do político e reacenderam a relação.

Parou de me contactar depois de ser promovido para Pequim. Eu teria querido enterrar tudo dentro do meu coração. Já que não pretende assumir a responsabilidade, porque é que ainda me procurou e me forçou a fazer sexo consigo na sua casa?", escreveu.

Ainda segundo o texto da tenista, a mulher de Zhang Gaoli estaria ao corrente da relação extra-conjugal.

"Se Zhang admitir a alegação de Peng, então Peng pode tornar-se um símbolo do movimento feminista na China, o que pode representar um desafio ao poder ao partido", disse Chen Daoyin, que dava aulas de Ciência Política na Universidade de Xangai.
Tópicos
pub