CNE valida vitória de CNRT de Xanana Gusmão Gusmão

por Lusa
Antonio Dasiparu - EPA

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) timorense validou hoje a vitória do Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste (CNRT), de Xanana Gusmão, nas legislativas de domingo, tendo ficado aquém da maioria absoluta.

Durante os últimos três dias, equipas da CNE analisaram um total de 515 votos reclamados na contagem inicialmente feita a nível municipal pelo Secretariado Técnico de Administração Eleitoral (STAE), distribuindo-os por partidos políticos ou como votos nulos.

O CNRT garantiu uma ampla representação parlamentar, com 31 dos 65 lugares do Parlamento, mais dez dos que detém atualmente, apesar de ter ficado aquém da maioria absoluta, de acordo com os resultados gerais provisórios do STAE timorense.

Depois de um período de 48 horas para eventuais recursos, os dados da CNE vão ser validados pelo Tribunal de Recurso. Após a publicação no Jornal da República, o Parlamento tem até 15 dias para marcar a sessão de tomada de posse dos novos deputados.

Os resultados dão ao partido de Xanana Gusmão 288.289 votos (41,63%), um resultado superior ao obtido pelas três forças políticas que compõem o atual Governo.

O cenário mais provável é o de uma aliança entre o CNRT e o Partido Democrático (PD), numa maioria de 37 deputados.

O PD passou a ser a terceira força política em número de votos, invertendo uma tendência de queda no apoio ao partido, registada desde as eleições de 2007, ao conquistar mais um lugar, para um total de seis, com 64.517 votos (9,32%).

Em segundo lugar, ficou a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), com 178.338 votos (25,75%), o que representa perder quatro dos atuais 23 lugares.

Os resultados mostraram uma penalização dos partidos do Governo, em particular ao Partido Libertação Popular (PLP), do primeiro-ministro timorense, Taur Matan Ruak, que perdeu metade dos oito lugares no Parlamento, passando de terceira para quinta força política.

Taur Matan Ruak é um dos maiores derrotados da votação de domingo, com os eleitores a fugirem da força política que se estreou como a terceira mais votada em 2017, ficando-se agora pelos 40.720 votos (5,88%).

Também a Fretilin, de Mari Alkatiri, foi penalizada, com o partido que viabilizou o executivo desde 2020 a registar a pior percentagem de apoio sempre, com uma queda de mais de oito pontos percentuais face ao voto que obteve nas antecipadas de 2018.

Finalmente, o Kmanek Haburas Unidade Nacional Timor Oan (KHUNTO) conseguiu subir para 52.031 votos (7,52%) e mantém assim os atuais cinco lugares no Parlamento.

Os resultados indiciam uma fuga dos votos para os maiores partidos, com o total de boletins em partidos que ficaram abaixo da barreira de elegibilidade (4% dos votos válidos) a representar menos de 10% dos votos totais.

Esse valor é mais baixo do que em 2017, quando chegou aos 14% e em 2012, quando garantiu mais de 23,13%.

O Parlamento fica agora com apenas cinco bancadas partidárias, contra oito antes das eleições de domingo.

Apenas duas das restantes 12 forças políticas concorrentes ficaram próximo da barreira de 4% dos votos válidos: o estreante Partido Os Verdes de Timor (PVT) e o Partido Unidade e Desenvolvimento Democrático (PUDD), que tinha um lugar no Parlamento.

Tópicos
pub