Comissão Política do partido no poder em Moçambique exige desarmamento da Renamo

| Mundo

|

A Comissão Política da Frelimo, partido no poder em Moçambique, defendeu hoje o desarmamento da Renamo, principal partido da oposição, considerando que é essencial para uma paz efetiva no país.

"Para a conquista da paz definitiva, não há alternativa ao desarmamento, desmobilização e reinserção dos homens residuais da Renamo", diz um comunicado distribuído hoje em Maputo.

Na nota de imprensa, a Comissão Política da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo) manifesta apoio à posição da bancada do partido na Assembleia da República, que na semana passada exigiu o desarmamento da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) para aprovar a legislação sobre a descentralização.

A Comissão Política da Frelimo exorta o chefe de Estado e presidente do partido, Filipe Nyusi, a manter o empenho na busca de consensos para o alcance duma paz efetiva e duradoura.

"O diálogo deve incluir o desarmamento, desmobilização e reinserção social dos homens residuais da Renamo, processo esperado com muita expetativa pelos moçambicanos", lê-se na nota de imprensa.

A Comissão Política enaltece a vigorosa ação das Forças de Defesa e Segurança (FDS), na prevenção e combate ao crime, bem como proteção das populações.

Tópicos:

Libertação, Resistência,

A informação mais vista

+ Em Foco

O vice-presidente do Brasil assegura que a democracia brasileira nunca esteve tão forte como agora. Entrevista exclusiva à RTP.

Em entrevista exclusiva aos enviados especiais da RTP, o cardeal Baltazar Porras declara apoio ao autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.