Deslizamento de terras na Papua Nova Guiné leva à retirada de 7.900 pessoas

por Lusa
O deslizamento de terras obrigou à retirada de centenas de pessoas Mohamud Omer Ion - Handout - EPA

As autoridades da Papua Nova Guiné começaram a retirar cerca de 7.900 pessoas do centro do país devido à possibilidade de um novo deslizamento de terras, anunciou um dirigente regional.

"Estamos a tentar retirar", declarou à agência France-Presse (AFP) o administrador da província de Enga, Sandis Tsaka.

"A toda a hora, ouvimos a rocha a partir-se. É como uma bomba ou um tiro e as pedras continuam a cair", acrescentou.

A retirada ocorre depois de um deslizamento de terras ter praticamente destruído na madrugada de sexta-feira uma localidade daquela província.

O governo de Papua Nova Guiné informou na segunda-feira que o deslizamento soterrou mais de duas mil pessoas e pediu formalmente ajuda internacional.

O número das autoridades é cerca de três vezes superior à estimativa das Nações Unidas, que era 670.

Apesar deste número, as equipas de socorro só encontraram até ao momento cinco corpos e a perna de uma sexta pessoa, informou a AFP.

As estimativas sobre o número de vítimas variaram muito desde a ocorrência do desastre e não ficou imediatamente claro como as autoridades chegaram ao número de pessoas afetadas.

O ministro da Defesa da Papua Nova Guiné, Billy Joseph, e o diretor do Centro Nacional de Desastres do governo, Laso Mana, voaram no domingo num helicóptero militar australiano da capital Port Moresby para Yambali, 600 quilómetros a noroeste, para fazer um levantamento das necessidades.

A Papua Nova Guiné é uma nação em desenvolvimento, composta sobretudo por agricultores de subsistência, com 800 idiomas. Existem poucas estradas fora das principais cidades.

Com 10 milhões de habitantes, é também a nação mais populosa do Pacífico Sul, depois da Austrália, que tem cerca de 27 milhões de habitantes.

 

 

Tópicos
pub