Empresa francesa rejeita participar na construção do muro entre EUA e México

| Mundo

O administrador executivo do grupo de construção civil francês Vinci disse hoje que a empresa declina participar na construção da barreira entre os Estados Unidos e o México, proposta pelo presidente norte-americano Donald Trump.

"Eu tenho de considerar a realidade da companhia, a nossa cultura, a forma de fazermos as coisas e as nossas sensibilidades. Não posso olhar apenas para os nossos colegas norte-americanos mas sim para o resto do mundo", disse Xavier Huillard à estação de televisão BFM.

"Por todos estes motivos, e sem querer fazer qualquer tipo de julgamento em relação aos Estados Unidos, preferimos não tocar neste muro", acrescentou.

A barreira que Trump prometeu construir ao longo da fronteira entre os Estados Unidos e o México, um projeto de dezenas de milhares de dólares, está no centro de uma crise diplomática entre mexicanos e norte-americanos.

"Se decidirmos fazer uma coisa que pode ofender a maioria dos nossos empregados, é mais sensato evitá-lo", disse Huillard.

A Vinci é a última empresa a rejeitar publicamente participar no projeto.

No mês passado, a companhia francesa Bouygues, concorrente da Vinci, disse que não estava interessada no projeto argumentando que a barreira vai ser uma construção de metal, um processo que a empresa não domina.

Mesmo assim, o grupo franco-suíço LafargeHolcim está preparado para vender cimento para a construção do muro.

 

 

Tópicos:

Huillard,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.