Empresa francesa rejeita participar na construção do muro entre EUA e México

| Mundo

O administrador executivo do grupo de construção civil francês Vinci disse hoje que a empresa declina participar na construção da barreira entre os Estados Unidos e o México, proposta pelo presidente norte-americano Donald Trump.

"Eu tenho de considerar a realidade da companhia, a nossa cultura, a forma de fazermos as coisas e as nossas sensibilidades. Não posso olhar apenas para os nossos colegas norte-americanos mas sim para o resto do mundo", disse Xavier Huillard à estação de televisão BFM.

"Por todos estes motivos, e sem querer fazer qualquer tipo de julgamento em relação aos Estados Unidos, preferimos não tocar neste muro", acrescentou.

A barreira que Trump prometeu construir ao longo da fronteira entre os Estados Unidos e o México, um projeto de dezenas de milhares de dólares, está no centro de uma crise diplomática entre mexicanos e norte-americanos.

"Se decidirmos fazer uma coisa que pode ofender a maioria dos nossos empregados, é mais sensato evitá-lo", disse Huillard.

A Vinci é a última empresa a rejeitar publicamente participar no projeto.

No mês passado, a companhia francesa Bouygues, concorrente da Vinci, disse que não estava interessada no projeto argumentando que a barreira vai ser uma construção de metal, um processo que a empresa não domina.

Mesmo assim, o grupo franco-suíço LafargeHolcim está preparado para vender cimento para a construção do muro.

 

 

Tópicos:

Huillard,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.