Envenenamento de espião russo ensombra Mundial de Futebol com aliados de Londres a engrossar fileiras contra o Kremlin

| Mundo

|

Com o relógio a esgotar o prazo dado ao Kremlin pela primeira-ministra britânica para fornecer explicações sobre o envenenamento do espião russo Sergei Skripal e da sua filha, os aliados de Londres começam a chegar-se à frente para fechar o cerco à Rússia. União Europeia, Alemanha e Estados Unidos condenaram a ação contra o antigo agente e exigem respostas, com os russos a avisarem que a tentativa de aproveitamento do caso para ensombrar a realização do Mundial de Futebol do próximo Verão, organizado no país, não é um fator positivo no relacionamento entre os dois países.

Depois de levar o caso ao Parlamento britânico, considerando que a tentativa de homicídio de Sergei Skripal, a 4 de março, constitui um ataque "indiscriminado e imprudente" contra o Reino Unido, a primeira-ministra Theresa May deixou claro que é convicção do governo britânico que Moscovo está ligado a este episódio.

Foi nesse sentido que estabeleceu o final desta terça-feira como prazo final para que o Kremlin forneça explicações sobre o caso, deixando antever a possibilidade de um agravamento de sanções anteriormente impostas contra cidadãos russos após o homicídio de Alexander Litvinenko. O embaixador russo em Londres, Alexander Yakovenko, foi convocado para fornecer essas explicações, mas Moscovo mantém a ideia do Presidente Vladimir Putin: não temos nada a ver com o assunto, investiguem e depois falamos sobre isso.

“Na quarta-feira vamos analisar ao detalhe a resposta dada pelo Estado russo”, sublinhou a chefe do Governo britânico, acenando com a possibilidade de avançar com “medidas mais amplas” do que aquelas que foram tomadas no passado.
Aliados de Londres fazem-se ouvir
O ministro dos Negócios Estrangeiros, Boris Johnson, tem sido uma das vozes mais críticas dentro do Governo britânico. Foi do chefe da diplomacia que ouvimos pela primeira vez a possibilidade de Londres condicionar a participação de Inglaterra no Mundial de Futebol marcado para este ano na Rússia.

Boris Johnson faz agora saber que Londres não está isolado na posição contra a Rússia, tendo desenvolvido contactos com aliados de quem recebeu o apoio no âmbito desse dossier: “Fui incentivado pela vontade dos nossos amigos de nos manifestarem o seu apoio e solidariedade”.

E esta terça-feira começaram, de facto, a chegar as manifestações dos Estados Unidos, da Alemanha, da Nato e da União Europeia, bloco de quem Londres deverá desligar-se em 2019, mas com o qual pretende manter laços a nível da cooperação e segurança.

“O Reino Unido é um aliado altamente valorizado e este incidente levanta forte preocupação”, referiu o secretário-geral da Aliança Atlântica.

O secretário de Estado Rex Tillerson foi a voz dos norte-americanos – eles próprios a braços com o seu dossier russo – nesta matéria: trata-se de um “acto flagrante... claramente veio da Rússia” e tem de haver aqui “consequências graves”.

“Concordamos que os responsáveis – tanto os que cometeram o crime como os que o ordenaram – devem enfrentar as consequências”, declarou Tillerson.

Também a União Europeia veio já cerrar fileiras, com uma declaração do vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, a deixar claro que a tese do envolvimento russo colheu em Bruxelas: “Estamos muito preocupados com esta situação e também com os resultados da investigação britânica até ao momento”.

Questionado sobre o apoio da União a novas sanções contra Moscovo, Dombrovskis foi claro: “O Reino Unido pode contar com o nosso apoio em relação a isso”.
“Resposta conjunta”

Um aliado próximo da chanceler Angela Merkel sublinhou entretanto que o assunto exige uma resposta colectiva do Ocidente, caso a Rússia decline essas justificações para o que foi uma tentativa de assassinato com o uso de um agente químico criado pelos russos.

“O comportamento do governo britânico é racional [e] a descoberta de uma substância militar russa significa que a Rússia não pode recusar a cooperação no esclarecimento desta questão”, apontou Norbert Roettgen, presidente da comissão parlamentar de assuntos externos da Alemanha, em declarações registadas pela Reuters.

“Se a Rússia não cooperar, deve haver uma resposta conjunta do Ocidente”, concluiu Roettgen.

Com os ponteiros a avançar no relógio, não há até ao momento qualquer indício de que Moscovo venha a aceder a essa convocatória para ajudar a explicar o envenenamento de Skripal e da sua filha.

O Kremlin mantém-se para já acantonado no papel de vítima, denunciando as ameaças britânicas de boicote do Mundial de futebol: ”Queremos sublinhar uma vez mais: estas declarações provocadoras, que alimentam a histeria anti-Rússia, apenas vêm complicar as relações entre os dois países. E são um ataque ao desporto”, verberou o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov.

Tópicos:

Espião russo, Kremlin, Londres, Theresa May, Sergey Skripal,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.