EUA e taliban chegam a acordo para retirada de tropas

por RTP
Tiksa Negeri, Reuters

Os EUA e os taliban vão assinar um acordo a 29 de fevereiro que irá levar à retirada de milhares de soldados norte-americanos e ao começo de negociações de paz. O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que um acordo de sete dias começará na noite de sexta-feira.

“Após a implementação bem-sucedida desse entendimento, a assinatura do acordo EUA-taliban deve avançar. Estamos a preparar-nos para a assinatura no dia 29 de fevereiro ”, afirmou Pompeo.

Acrescentou que “as negociações inter-afegãs começarão logo de seguida e vão basear-se nesse passo fundamental para criar um cessar-fogo permanente e o futuro roteiro político para o Afeganistão”.

O diretor-geral de Assuntos Internacionais do Conselho de Segurança Nacional do Afeganistão, Ahmad Shuja Jamal, escreveu no seu twitter que “esta é uma oportunidade importante para os taliban demonstrarem um empenhamento sério pela paz e para acabar com o sofrimento do povo afegão”.

Já os taliban emitiram a sua própria avaliação do acordo, dizendo que os dois lados iriam tomar medidas para a libertação de prisioneiros.

O vice-líder dos taliban, Sirajuddin Haqqani, referiu que o seu movimento estava preparado para fazer cedências na mesa de negociações com representantes do governo afegão, inclusivamente sobre os direitos das mulheres.

“Estou confiante de que, sem soberania e interferência estrangeira, encontraremos uma maneira de construir um sistema islâmico no qual todos os afegãos tenham direitos iguais, onde serão protegidos os direitos das mulheres que são concedidos pelo Islão - desde o direito à educação ao direito ao trabalho - e onde o mérito é a base da igualdade de oportunidades ”, disse Sirajuddin Haqqani ao New York Times.

No que diz respeito ao acordo planeado, espera-se que os EUA diminuam a sua presença de 12.000 para 8.600 militares. Contudo, ainda não se sabe se os EUA enviarão as suas tropas de volta ao Afeganistão.

Na região especulam que o próprio Donald Trump possa ir assinar o acordo com os taliban, carimbando assim uma vitória da política externa ao intensificar sua campanha de reeleição. Em setembro, o presidente comunicou que os líderes dos taliban deveriam viajar para Camp David para assinarem um acordo. Porém, cancelou a viagem devido a um ataque dos taliban em Cabul.
pub