Europa, Japão e China em competição na criação dos super-colisores de partículas

Descobrir como é feito o universo que nos rodeia sempre foi uma curiosidade do homem e da comunidade científica - motivo que levou o Comité Internacional Cientifico a promover várias iniciativas nessa busca. O CERN, em Genebra, deu o primeiro passo e construiu um colisor que já mostrou ao mundo a "partícula de Deus". Japão e China também querem mostrar que dominam a ciência do universo e prometem mais e maiores colisores.

| Mundo

O primeiro grande projeto nesta área foi o acelerador de partículas (LHC – Large Hadron Collider) em Genebra, na Suíça, onde foi descoberto o bosão de Higgs, batizadoa como a "partícula de Deus".

Esta descoberta permitiu analisar e completar com maior precisão a definição da matéria convencional de tudo o que podemos ver e tocar no nosso dia-a-dia: as proteínas e genes que nos mantém vivos, bem como os milhões de planetas e estrelas que existem no universo.

Mas se o leitor pensa que com este aparelho científico e tecnológico se ficou a saber muito do universo, desengane-se.

E experiência e descoberta do bosão cobre apenas cinco por cento da matéria que existe em todo o cosmos.

Razão pela qual a comunidade científica quer mais e novos projetos como o LHC.

ILC - International Longevity Center (Japão)
Os japoneses mestres na inovação querem demonstrar que também eles têm capacidade para ver o que existe lá fora, e já em andamento está um novo colisor de partículas, de nome ILC (Centro Internacional de Longevidade).

A proposta nipónica é produzir partículas de matéria escura, que responde a 24 por cento do universo, nunca observado, mas o projeto enfrenta cortes financeiros significativos, devido ao desvio de fundos para os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020.



Recentemente o Comité Internacional para Futuros Aceleradores (ICFA), do qual o Japão faz parte, esteve reunido. Aí, o representante nipónico, Masanori Yamauchi, diretor-geral do laboratório de física de partículas de Japão (KEK), apresentou o problema aos restantes Estados membros.

O plano passa pela construção de apenas “meio acelerador” e por poupar cerca de 40 por cento do custo, ou seja, 8000 milhões de euros.



O Japão neste projeto conta com mais 16 países, mas acredita poder iniciar negociações com outros países para pagar a sua construção, embora ainda existam muitas dúvidas.


China quer construir acelerador de partículas com 100 quilómetros
Entre tantas dúvidas, a China não está com meias medidas e diz que vai avançar com um plano ambicioso que ameaça arrebatar ao projeto europeu CERN a liderança na área física de partículas.

O investigador e físico Gao Jie, do Instituto de Física de Alta Energia, explica que a China tem o intuito de construir um acelerador de partículas - um acelerador à semelhança do CERN, mas este com uma circunferência subterrânea de 100 quilómetros, ou seja, cerca de quatro vezes maior do que o LHC.



O projeto, segundo Gao Jie, cobriria uma área maior do que a ocupada pela cidade de Madrid. "A primeira fase do projeto, consiste num colisor de elétrons e pósitrons, a entrar em funcionamento até 2030", diz Gao. Depois com o mesmo túnel toda a estrutura irá acomodar um colisor de prótões em 2050.

No país mais populoso da Terra, construir o maior colisor de partículas será bastante acessível, diz Gao: "O custo per capita é ainda mais barato do que o primeiro colisor de energia construído na China na década de 1980", explica.

O físico chinês espera que o Governo se empenhe seriamente na aplicação dos fundos na concepção deste projeto a partir do próximo ano.

Gao Jie sublinha ainda que este projeto deve envolver a comunidade internacional, apesar de a aposta ser principalmente chinesa: "Acho que a China pode ser responsável por 70 por cento do projeto," diz.

Já com esse objetivo a comunidade cientifica e física esteve reunida para analisar as várias valências que os vários projetos podem fornecer à ciência.

CERN continua na senda das descobertas primordiais
O CERN, em Genebra, não ficou de braços cruzados depois da grande experiência que deu origem ao bosão de Higgs.

A comunidade cientifica encarregue do complexo continua a avançar com os seus próprios estudos "de aceleradores lineares e circulares", diz Fabiola Gianotti, diretora-geral do laboratório.


Fabiola Gianotti física de particulas do CERN - Foto: Reuters

Fabiola Gianotti perante as “intenções” chinesas comenta muito diplomaticamente: "É muito bom ver que há interesse na criação de aceleradores de partículas, em várias regiões do mundo," refere a física de partículas do CERN.

A última esperança da Europa nesta corrida será a constante capacidade de inovação.

O veterano físico Lynn Evans, diretor da colisão linear do CERN e um dos pais do LHC, é muito cético relativamente à potência asiática para desenvolver suas próprias novas tecnologias, o que o leva a afirmar: "Levámos 15 anos para construir o LHC. Construir um acelerador de 100 quilómetros até 2050? Vamos esperar para ver”, remata.

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.