Explosão em Dortmund: mandado de detenção para suspeito com ligação ao Estado Islâmico

| Mundo

|

O Ministério Público alemão emitiu um mandado de detenção para um homem iraquiano, de 26 anos, que foi interrogado pelas autoridades na sequência das explosões junto ao autocarro da equipa do Borussia Dortmund. O indivíduo terá ligações ao autoproclamado Estado Islâmico.

As autoridades alemãs dizem no entanto que, até ao momento, não há provas de que este iraquiano, identificado como Abdul Beset A., e que entrou na Alemanha via Turquia, tenha participado no ataque ao autocarro do clube de futebol alemão. 

O homem será agora presente a um juiz que terá que decidir sobre o mandado de detenção pedido pelos procuradores alemães.

As autoridades alemãs avançam que Abdul Beset A. pertenceu à "organização terrorista Estado Islâmico" no Iraque, onde liderou uma unidade que estava envolvida em raptos, extorsão e homicídios.

O ataque contra o autocarro do Borussia de Dortmund aconteceu pelas 19h15 de terça-feira, quando três engenhos explodiram à saída da unidade hoteleira onde a equipa estava concentrada.

O jogador espanhol Marc Bartra ficou ferido e teve que ser operado na noite de quarta-feira num hospital de Dortmund devido a uma lesão no pulso direito.

As autoridades alemãs informaram depois que também um polícia que acompanhava, de moto, o autocarro, ficou ferido. 

Na quarta-feira as autoridades alemãs informaram que o ataque está a ser investigado como um "atentado terrorista" com "motivações islâmicas", acrescentando ter dois suspeitos, um dos quais detido.

A informação mais vista

+ Em Foco

A Redação da RTP votou sobre as figuras e acontecimentos mais destacados, a nível nacional e internacional. Veja aqui as escolhas.

    O embaixador russo em Lisboa afirma, em entrevista à RTP, que as declarações e decisões de Donald Trump sobre Jerusalém podem incendiar todo o Médio Oriente.

    Rui Rosinha, bombeiro de Castanheira de Pêra, sofreu queimaduras de terceiro grau e esteve dez horas à espera de ser internado. Foi operado 14 vezes e regressou a casa ao fim de seis meses.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.