Furacão Florence chegou à costa Leste dos Estados Unidos

| Mundo

O furacão Florence perdeu intensidade mas continua a ameaçar a população da costa Leste dos Unidos
|

Milhares de pessoas abandonaram a costa Leste dos Estados Unidos devido à aproximação da tempestade Florence. O olho do furacão atingiu a costa às 7h15 locais (12H15 em Lisboa). O Centro Nacional de Furacões considera que o Florence é agora de categoria 1, numa escala de cinco níveis. No entanto, a população continua em perigo.

Um milhão de pessoas foram aconselhadas a deixar as casas até ao meio-dia, nas costas dos Estados da Carolina do Norte, da Carolina do Sul e da Virginia.

No entanto, o número de habitantes afetados pela tempestade poderá ser superior a dez milhões.

As previsões apontam para ventos de 150 quilómetros/hora nas próximas horas. Os serviços de meteorologia prevêem chuvas torrenciais equivalentes a oito meses de precipitação. As águas devem subir e até atingir níveis catastróficos. “As inundações no interior podem vir a ser muito mortíferas”, avisou o chefe da agência federal das situações de urgência.

No final da manhã, mais de 150 mil pessoas estavam sem eletricidade, podendo os cortes de eletricidade vir a afetar milhões. A reposição da energia deverá demorar semanas.

Quase todo o Estado da Carolina do Norte deve ficar submerso.

Neste Estado, pelo menos 12 mil pessoas procuraram refúgio em 126 abrigos de emergência. No entanto, muitas pessoas ignoraram os apelos dos governadores e preferiram ficar em casa.

O governador da Carolina do Norte, Roy Cooper, pediu aos habitantes “para procurarem um lugar seguro e ficar lá” nos próximos dias.

A tempestade avançou para a Carolina do Norte a uma velocidade de nove quilómetros por hora, registando-se ventos mais intensos e maior intensidade de chuvas. Um crescente número de estradas ficou submerso e barcos virados junto à costa.

O Centro Nacional de Furacões classifica o furacão Florence como uma tempestade de nível 1, numa escala de cinco níveis. O olho do furacão deve deslocar-se três quilómetros para o interior do continente, onde pode afundar no sábado, aumentando o risco de enchentes.

São esperadas chuvas fortes nos Montes Apalaches, afetando parte do Alabama, Tennessee, Kentucky e Virginia.

Nas Carolinas do Sul e do Norte, Virginia, Georgia, Maryland e no Distrito de Columbia foi declarado o estado de emergência.

Na Carolina do Sul, quase 40 mil pessoas estão sem eletricidade. O governador Henry McMaster disse que as chuvas podem causar deslizamentos de terra na parte Oeste do Estado.

O governador da Virgínia apelou à população para estar preparada para os ventos fortes, chuva intensa e cortes de eletricidade.

Furacão perdeu força mas continua perigoso
Apesar de ter perdido força, o furacão Florence continua a apresentar perigo para a população da costa Leste dos Estados Unidos.

“Este furação tem uma característica diferente: desloca-se mais lentamente, produz mais precipitação e provoca mais estragos”, explicou a meteorologista Patrícia Gomes, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em declarações à Antena 1, a meteorologista notou que “quando passam do mar para terra, normalmente os furacões baixam de categoria”. O Florence era uma tempestade de categoria 3 "antes de atingir terra". O Centro Nacional de Furacões prevê o enfraquecimento do fenómeno, mas não o impacto do mesmo.

“O facto de ficar estacionário nos próximos dias, vai fazer com que a mesma região seja atingida por grandes quantidades de precipitação, por ventos muito intensos, na ordem dos 120, 130 quilómetros por hora, em alguns locais poderão mesmo ser superiores a isso”, disse Patrícia Gomes, advertindo ainda que o furacão tem “um grande diâmetro de atividade”.

Na faixa costeira, a elevação do nível do mar será “na ordem dos 3, 4 metros”.

Além do Florence, estão a verificar-se mais quatro “perturbações tropicais” (as tempestades Helene, Isaac e Joyce, bem como uma perturbação no Golfo do México) no Atlântico, “o que realmente não é muito comum”, comentou Patrícia Gomes.

Tópicos:

Estados Unidos, Florecen, Furacão, Helene, Tempestade,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.