Governo anuncia nova permanência consular nas Antilhas francesas

| Mundo

O Governo vai criar uma nova permanência consular nas Antilhas francesas, a partir de maio de 2018, para apoiar os mais de 2.000 portugueses que vivem na região, anunciou à Lusa o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas.

José Luís Carneiro, que viajou para a ilha de Guadalupe após a passagem do furacão Irma, deverá deslocar-se ainda hoje para a ilha de Saint-Barthélemy (?Saint-Barths`), onde reside o maior número de portugueses naquela região, cerca de 2.000.

"Vamos lançar a partir de maio do próximo ano uma permanência consular, em que uma vez por ano, vêm cá três funcionários consulares de Paris" para realizar atos que estes cidadãos necessitem, como registos, atualizar documentos, renovar documentos como o cartão de cidadão ou o passaporte e emitir títulos de viagem.

A permanência deverá servir as ilhas de `Saint-Barths`, Saint Martin, Guadalupe e Martinica, territórios que têm jurisdição francesa, pelo que são os funcionários do consulado-geral de Paris a realizar estas tarefas.

A decisão surge depois de o Governo ter constatado que o número de portugueses que vivem naquela zona é muito superior aos que estavam inscritos junto do consulado de Paris.

Segundo os dados oficiais, há 220 emigrantes na República Dominicana, 60 em Cuba, 165 em Saint-Barthélemy, 58 em Guadalupe, 54 em Martinica, 36 em Porto Rico e 19 em Saint-Martin. Não há registo de portugueses no Haiti.

Carneiro indicou que, só em `Saint-Barths`, estão cerca de dois mil emigrantes portugueses, e que pretende contactar nas próximas horas.

"Vou visitar os que ficaram em `Saint-Barths`, para verificar se estão bem, esta foi uma das zonas mais afetadas" pelo furacão, acrescentou.

A criação de uma rede administrativa portuguesa nas Antilhas francesas foi reclamada na quarta-feira pela Associação de Autarcas Portugueses em França, Cívica.

Esses portugueses - que a associação estima que sejam mais de 3.000 - residentes nas Antilhas francesas "devem, administrativamente, estar inscritos no consulado de Paris, mas como podem inscrever-se com uma distância de 7.000 quilómetros", questionou a Cívica.

Segundo a contagem da agência Associated Press, o Irma fez 37 mortos nas Caraíbas, 13 na Florida, quatro na Carolina do Sul e dois na Geórgia, o que perfaz um total provisório de 56 mortos.

Tópicos:

Antilhas, Associated Press Irma, Caraíbas, Dominicana Cuba Saint Barthélemy, Rico,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.