Governo da Venezuela acusa Trump de ameaçar a estabilidade da América Latina

| Mundo

Um homem passa por um mural pintado numa parede da capital da Venezuela, Caracas
|

O Presidente dos Estados Unidos assumiu sexta-feira pela primeira vez a possibilidade de intervir militarmente no país liderado por Nicolás Maduro. Em resposta, Caracas acusou este sábado o líder norte-americano de "ameaça temerária" que "visa arrastar a América Latina e as Caraíbas para um conflito".

"A ameaça temerária do Presidente Donald Trump visa arrastar a América Latina e as Caraíbas para um conflito que perturbaria, de forma permanente, a estabilidade, a paz e a segurança da nossa região", declarou o ministro dos Negócios estrangeiros da Venezuela Jorge Arreaza.

O ministro lia um comunicado em nome do Presidente Nicolás Maduro, herdeiro do regime de Hugo Chávez.

Também esta tarde o bloco Mercosur rejeitou a ameaça do uso de força na Venezuela, num comunicado enviado pelo Ministério Argentino dos Negócios Estrangeiros.

Donald Trump afirmou que existem "várias opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse, sem facultar mais detalhes. 

Além da ameaça do uso da força, Donald Trump deixou outro desafio a Nicolás Maduro. Disse que aceitará falar com o seu homólogo venezuelano "assim que a democracia for restaurada" no país.

A resposta de Trump descartou assim o pedido de Maduro para falar com Donald Trump durante a Assembleia-Geral da ONU a 20 de setembro, manifestado quinta-feira num discurso em Caracas.

"Trump pediu a Maduro respeito pela Constituição, eleições livres e justas, a libertação dos presos políticos e o fim das violações aos direitos humanos" e "Maduro, pelo contrário, escolheu o caminho ditatorial", sublinhou Washington num comunicado, no qual salientou que os Estados Unidos "estão com o povo da Venezuela contra a contínua opressão do regime de Maduro".

Tópicos:

Donald Trump, Venezuela,

A informação mais vista

+ Em Foco

Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

      Sem possibilidade de receber os ordenados em euros ou de pagar as contas em Portugal, muitos recorrem ao mercado negro para trocar dinheiro.

      É portuguesa a única equipa do mundo que faz o despiste genético de cancro do estômago. Os investigadores viram agora renovado o financiamento.