Grupo de Lima rejeita qualquer intervenção militar na Venezuela

| Mundo

O Grupo de Lima, que junta 13 países maioritariamente da América latina e central, rejeitou qualquer intervenção militar na Venezuela, deixando isolado o secretário-geral da Organização dos Estado Americanos, Luis Almagro.

Num comunicado divulgado no sábado, os países expressaram preocupação, rejeitaram "qualquer ação ou declaração que implique uma intervenção militar ou o uso de violência ou de força na Venezuela", e apelaram a uma "saída pacífica e negociada" para restaurar a democracia no país.

O Grupo de Lima junta Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru.

Na semana passada, numa visita à cidade colombiana de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela e que tem acolhido milhares de venezuelanos, o secretário-geral da Organização dos Estado Americanos, Luis Almagro, disse que "as ações diplomáticas estão em primeiro lugar", mas não descartou outras ações, como uma intervenção militar.

Hoje, o Presidente da Bolívia, Evo Morales, reforçou a tomada de posição do Grupo de Lima, considerado que Luis Almagro fica isolado na sua "obsessão golpista" contra o Governo de Nicolás Maduro.

"É uma derrota do intervencionismo de Trump e uma vitória da dignidade e coragem do povo venezuelano e latino-americano", escreveu Evo Moraeles na rede Twitter.

A Venezuela fez fazer, entretanto, que denunciará Almagro à Organização das Nações Unidas, por supostamente promover uma intervenção militar "de forma vulgar e grotesca".

O Grupo de Lima foi criado em agosto, por iniciativa do Governo peruano, com o objetivo de encontrar uma saída pacífica para a crise política, económica e social que se vive na Venezuela.

Tópicos:

Lima Argentina, Rica Chile Guatemala Guiana Honduras México Panamá Paraguai,

A informação mais vista

+ Em Foco

O criador dos óculos de realidade virtual está a desenvolver tecnologia que vai transferir jogos de vídeo para os campos de batalha.

Reunimos aqui reportagens sobre as forças de elite portuguesas, emitidas por ocasião dos 100 anos do Armistício que pôs fim à I Guerra Mundial.

    O coração de Lisboa foi palco do maior desfile militar dos últimos 100 anos no país, por ocasião do centenário do Armistício que pôs fim à I Grande Guerra.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.