Guiné-Bissau. Rajadas de metralhadora junto ao Palácio onde decorria Conselho de Ministros

por RTP

Esta terça-feira foram ouvidos tiros de bazuca e rajadas de metralhadora na capital da Guiné-Bissau. O presidente Umaro Sissoco Embaló e o primeiro-ministro Nuno Nabiam estarão no Palácio do Governo, onde estava a decorrer um Conselho de Ministros.

O Palácio, onde se encontram os líderes guineenses, terá sido tomado de assalto por um grupo de militares que não estavam fardados, mas sim à paisana.

Em redor da zona, militares colocaram um perímetro de segurança e não deixam passar civis. A RTP falou ao telefone com o jornalista Waldir Araújo, que está no local a acompanhar a situação.

Uma fonte da agência Reuters avançou que várias pessoas terão sido atingidas pelos disparos. Uma outra fonte fala em dois mortos.

Num perímetro de cerca de 500 metros à volta do edifício, os militares colocaram barreiras para impedir o acesso da população à zona, onde também não circulam carros.

Segundo testemunhas contactadas pela agência Lusa, também perto do Palácio da Justiça está uma brigada de intervenção e vários militares e elementos das forças de segurança, um sinal de golpe de Estado em curso.

Estes incidentes na capital guineense junto ao palácio governamental decorrem dias depois de uma remodelação do executivo, decidida pelo presidente da República, Umaro Sissoco Embaló, que foi contestada inicialmente pelo partido liderado pelo primeiro-ministro, Nuno Gomes Nabiam.

Posteriormente, o líder do Governo disse que concordava com a remodelação feita.

As relações entre o chefe de Estado e do executivo têm sido marcadas nos últimos meses por um clima de tensão, agravada nos últimos meses de 2021 por causa de um avião Airbus A340, que o Governo mandou reter no aeroporto de Bissau, onde aterrou vindo da Gâmbia, com autorização presidencial. 

c/ agências
pub