Hélicóptero que transportava delegação oficial despenhou-se na Arábia Saudita

| Mundo

A queda de um helicóptero na Arábia Saudita provocou a morte dos oito ocupantes, "entre os quais um príncipe" e elementos da administração do reino, disse hoje o ministro do Interior.

Segundo o ministro saudita do Interior o aparelho despenhou-se na província de Asir na altura em que os passageiros visitavam projetos públicos perto da localidade de Abha, a cerca de 160 quilómetros da fronteira com o Iémen.

A Arábia Saudita lidera uma coligação militar contra as forças houthi, do Iémen, desde março de 2015.

As autoridades ligadas à segurança do reino saudita não indicaram ainda as causas que provocaram a queda do helicóptero acrescentando que ainda se encontram a tentar localizar os destroços.

Os representantes das forças houthi, no Iémen ainda não se referiram ao helicóptero que transportava a comitiva oficial saudita enquanto a televisão do grupo Al Masirah apenas se referiu à queda de um aparelho.

A estação de televisão Al Arabiya, no Dubai, refere que no acidente morreu o príncipe Mansour Bin Muqrin e sete outros passageiros que se encontravam a bordo do helicóptero.

O príncipe Mansour era vice-governador da província de Asir e filho do príncipe Muqrin Bin Abdulaziz, antigo diretor dos serviços secretos, e um dos herdeiros do reino.

O príncipe Muqrin foi afastado da linha de sucessão pelo meio irmão, o rei Salman, que mostrou preferência pelo príncipe Mohmamed Bin Nayef, antigo ministro do Interior e ligado a atividades antiterroristas.

Em junho, o rei Salman acabou por afastar igualmente o príncipe Mohamemed, a favor do príncipe Mohammed Bin Salman, como primeiro na linha de sucessão da monarquia saudita.

No passado sábado dezenas de elementos da monarquia, oficiais militares, ministros e empresários foram presos durante uma operação anticorrupção e reforçando a posição do príncipe Mohammed Bin Salman.

Tópicos:

Al Arabiya, Iémen, Mohammed Bin Salman,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.