Homem em estado vegetativo há 15 anos recupera consciência após estimulação nervosa

| Mundo

|

Um homem de 35 anos em estado vegetativo desde os 20, devido a um acidente de automóvel, recuperou sinais de consciência e movimentos após o implante no peito de um estimulador de um nervo cerebral, foi hoje divulgado.

Ao fim de um mês de estimulação do nervo vago, a atenção, os movimentos e a atividade cerebral do doente melhoraram significativamente, segundo um estudo publicado na revista científica Current Biology, que salienta que a pessoa "entrou no estado de consciência mínima".

O homem começou a responder a ordens simples, como seguir com os olhos um objeto e virar a cabeça quando alguém lhe dizia para o fazer e, de acordo com a mãe, aumentou a capacidade para manter-se acordado quando ouvia o terapeuta a ler um livro.

Investigadores do Instituto de Ciências Cognitivas Marc Jeannerod, em Lyon, França, observaram igualmente respostas do paciente a `ameaças`, tais como reagir com surpresa, abrindo os olhos, quando a cabeça de alguém se aproximava de repente da sua cara.

Registos da atividade cerebral também revelaram melhorias, como aumento da conetividade funcional e da ação metabólica nas regiões do córtex e subcórtex (responsáveis pela memória, atenção, consciência, linguagem e perceção).

Para os autores do estudo, a técnica de estimulação nervosa, que já é usada no tratamento da epilepsia e da depressão, desafia a convicção generalizada de que distúrbios da consciência que durem mais de um ano são irreversíveis.

O nervo vago, que liga o cérebro a outras partes do corpo, como pulmões, coração, estômago e intestino delgado, desempenha um papel importante no despertar e no estado de alerta.

Para testar a capacidade do estimulador na recuperação da consciência, a equipa de investigadores e de médicos escolheu um caso difícil para ter a certeza de que quaisquer melhorias ocorridas não tinham acontecido por acaso.

"A plasticidade e a reparação do cérebro são ainda possíveis mesmo quando a esperança parece ter desaparecido", afirmou a líder do grupo científico, Angela Sirigu, do Instituto de Ciências Cognitivas Marc Jeannerod, citada num comunicado da Cell Press, que edita a Current Biology.

Os investigadores tencionam usar a mesma técnica em mais doentes para confirmarem os seus benefícios terapêuticos.

Uma pessoa em estado vegetativo está viva, mas não tem consciência de si e do que a rodeia.

Tópicos:

Ciências Cognitivas Jeannerod Lyon,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.