Hungria. Boicotada publicidade da Coca-Cola que promove tolerância homossexual

| Mundo

|

Uma publicidade da Coca-Cola que promove a tolerância para com homossexuais está a ser boicotada na Hungria pelo partido no poder, o Fidesz de Viktor Orbán. O Fidesz, que se assume contra o casamento de casais do mesmo sexo, afirma que os cartazes fazem parte de uma campanha "provocadora".

"Zero açúcares, zero preconceitos". Assim diziam os cartazes da multinacional Coca-Cola.

Os cartazes fazem parte de uma parceria com um festival de música em Budapeste, o Sziget, que está a promover um evento, a "Love Revolution" ["Revolução do amor"].

Por sua vez, o evento, que começará na quarta-feira, contará com a presença de discursos e pequenas performances que retratam diversos assuntos sociais, como a violência doméstica, a pobreza e os direitos da comunidade LGBTQI.

Em conjunto com o festival, a Coca-Cola apresentou cartazes para promover a tolerância, com imagens de casais homossexuais a sorrir e com slogans como "Zero açúcares, zero preconceitos".

Contudo, alguns membros do partido conservador no poder pediram um boicote à empresa de bebidas.

No domingo passado, um porta-voz do partido, István Boldog, pediu um boicote aos produtos da Coca-Cola, afirmando que a campanha levada a cabo era "provocadora".

O Fidesz assume-se contra o casamento por casais do mesmo sexo, afirmando querer defender as tradições cristãs europeias. Insurge-se também contra os imigrantes, admitindo querer promover uma "homogeneidade étnica".

Este ano, o presidente do Parlamento húngaro disse que a adoção por casais do mesmo sexo era "pedofilia num sentido moral".
Hungria "baseada em valores tradicionais"

Viktor Orbán, primeiro-ministro húngaro afirmou que a Hungria "é baseada em valores tradicionais".

"A Hungria é uma nação tolerante. Tolerância, no entanto, não significa que aplicamos as mesmas regras às pessoas cujos estilos de vida sejam diferentes dos nossos. Nós diferenciamos entre nós e eles".

Porém, a tolerância no país está a aumentar. Segundo a organização Háttér, dois terços da população húngara acreditam que os homossexuais devem viver livremente. Em 2002, o valor era menor – menos de metade da população.

Viktor Orbán respondeu ao boicote proposto por membros do partido, dizendo que os húngaros eram livres para escolher se querem beber Coca-Cola.

Num comunicado, a Coca-Cola também replicou: “Acreditamos que tanto os heterossexuais quanto os homossexuais têm o direito de amar e amar da forma que querem”.


A informação mais vista

+ Em Foco

Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

    Entrevista Olhar o Mundo a um dos autores e investigadores militares mais reconhecidos do mundo anglo-saxónico.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.