Igreja Católica beatifica juiz assassinado pela máfia italiana

por Lusa

A Igreja Católica beatificou hoje o juiz italiano Rosario Livatino, assassinado em 1990 pela máfia em Agrigento, na Sicília, Itália.

Rosario Livatino, que hoje teria 69 anos, foi assassinado em 21 de setembro de 1990 pela `Cosa Nostra` e a Igreja Católica beatificou-o como um exemplo de legalidade e de integridade.

O Papa Francisco, depois de rezar a oração `Regina Coelli`, lembrou Livatino como um "mártir da justiça e da fé, no seu serviço à comunidade como um juiz íntegro, que nunca se deixou corromper e que julgava não para condenar, mas para redimir".

"Que ele seja para todos, e especialmente para os juízes, um estímulo para serem defensores da legalidade e da liberdade", acrescentou Francisco.

A pandemia impediu uma beatificação com a presença de multidões e apenas 200 pessoas puderam estar presentes na catedral de Agrigento, na Sicília, para a cerimónia em que foi mostrada como uma relíquia a camisa manchada de sangue do juiz, uma das provas nos julgamentos em Caltanissetta, contra os autores do homicídio.

O "jovem juiz", como era conhecido em Itália desde a sua morte, aos 26 anos, é o primeiro magistrado na história da Igreja a ser beatificado, tendo sido declarado "mártir do ódio à fé", o que lhe permite ser beatificado sem ter de ter um milagre aprovado por sua intercessão.

Católico fervoroso, tentou durante a sua vida recuperar mafiosos. Alguns delinquentes explicaram que quando entravam no seu escritório, o juiz levantava-se, apertava-lhes as mãos e que uma vez foi à morgue para rezar ao lado do cadáver de um mafioso assassinado.

"Que Deus esteja comigo e me ajude a respeitar o juramento, e a comportar-me como a educação que os meus pais me deram exige", escreveu Rosario Livatino no seu caderno no primeiro dia em que acedeu à magistratura em Agrigento.

Em 21 de setembro de 1990, como fazia todas as manhãs, estava a caminho do tribunal desde Canicattì, onde vivia com os seus pais, e quando atravessava o viaduto da estrada estatal 640, uma mota aproximou-se dele e um Fiat Punto atravessou-se no caminho. Após os primeiros tiros, tentou escapar, mas um dos assassinos atingiu-o com sete disparos.

Os autores do homicídio e os que ordenaram a sua morte foram condenados, graças a testemunhos como o do comerciante Pietro Nava, que mais tarde teve de mudar de nome e de vida, tal como a sua família.

Um dos assassinos, Gaetano Puzzangaro, arrependeu-se na prisão, e foi seu um dos testemunhos recolhidos com vista à beatificação. Segundo o próprio, as últimas palavras de Livatino foram: "Rapaz, o que é que eu te fiz?".

Os mafiosos consideravam o juiz inacessível, irredutível nas tentativas de corrupção, precisamente porque era um católico praticante e inicialmente tencionavam matá-lo em frente à igreja onde ia rezar.

As suas investigações sobre a guerra entre máfias, de que resultaram centenas de mortos, entre a chamada `Stidda` e a `Cosa Nostra`, custaram-lhe a vida, uma vez que as duas se juntaram para o matar.

Tópicos
pub