Israel lança ataque na Faixa de Gaza em retaliação contra Hamas

por Joana Raposo Santos - RTP
Desde 2008, Israel já travou três guerras contra o Hamas Foto: Mohammed Salem - Reuters

As forças militares israelitas lançaram um ataque sobre a Faixa de Gaza esta quinta-feira, numa retaliação contra o movimento islâmico Hamas que, horas antes, tinha disparado uma granada de morteiro para Israel, levando a que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu tivesse de ser retirado de um comício eleitoral que decorria na cidade de Ashkelon.

“Aviões e helicópteros de combate atingiram vários alvos terroristas do Hamas na Faixa de Gaza. Entre os alvos estavam postos militares”, esclareceram as Forças de Defesa de Israel, que confirmaram que este ataque serviu como retaliação.

“A organização terrorista Hamas é responsável por tudo o que acontece na Faixa de Gaza e será responsabilizada pelas suas ações contra os cidadãos de Israel”, acrescentou o porta-voz das forças militares desse país.

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, que estava num comício eleitoral perto da zona atingida pela granada, teve de ser retirado do local e levado para um abrigo, juntamente com a sua mulher Sara, regressando mais tarde para terminar o discurso.



Durante o discurso, o primeiro-ministro referiu-se ao assassinato do líder jihadista Baha Abu al-Ata, levado a cabo pelas Forças de Defesa de Israel em novembro. O acontecimento despoletou, na altura, uma troca de ataques entre Israel e a Faixa de Gaza.

“Estes são ataques recorrentes contra as nossas comunidades, e eles acham que nós não os magoaremos de volta ou que vamos desistir”, afirmou Netanyahu.

O discurso do primeiro-ministro foi transmitido em direto em várias plataformas online, revelando a localização exata do líder nesse momento, o que poderá ter desencadeado o ataque por parte do movimento Hamas.

Em setembro, Netanyahu também teve de ser retirado de um comício na cidade de Ashdod, depois de ser emitido um alerta devido ao lançamento de foguetes numa zona próxima.
Eleições no partido de Netanyahu
Já na semana passada tinham sido disparados, desde Gaza, dois foguetes em direção a Israel, sem deixarem vítimas. Em resposta, a força aérea israelita bombardeou por duas vezes as instalações do movimento Hamas.

Desde 2008, Israel já travou três guerras contra o Hamas e grupos seus aliados na Faixa de Gaza, lar de dois milhões de palestinianos que têm sofrido as consequências destes conflitos.

Esta quinta-feira, os membros do Likud, partido do primeiro-ministro israelita, são convocados para eleger o seu novo líder, depois de Gideon Saar, principal rival de Netanyahu, se ter proposto a liderar essa força política.

A 2 de março serão realizadas as terceiras eleições gerais em menos de um ano, disputadas entre os dois principais partidos do país, o Likud e a coligação Azul e Branco.

c/ agências
Tópicos
pub