Lâmpadas de halogéneo proibidas na Europa a partir de setembro

por RTP
As lâmpadas de halógeneo serão proibidas em toda a Europa a partir do dia 1 de setembro Regis Duvignau - Reuters

Após quase 60 anos em utilização, a partir de 1 de setembro as lâmpadas halogênicas serão substituídas pela iluminação LED em toda a Europa. A eliminação gradual das lâmpadas de halogéneo proporcionará uma "economia gigantesca" aos consumidores, de acordo com os especialistas.

A transição para diodos que emitem luz (LED) em todo o continente europeu está em marcha. Segundo os especialistas, reduzirá as emissões e as contas de energia.

Até à aplicação da lei, o restante stock de lâmpadas de halogéneo ainda pode ser vendido. As lâmpadas de baixa voltagem, com uma categorização B ou superior na escala de eficiência energética, ficam de fora das restrições.

"Esta é uma excelente notícia tanto para os consumidores quanto para o meio ambiente. As pessoas podem esperar uma economia gigantesca graças ao fato das lâmpadas LED durarem muito mais e custam muito menos do que as de halogéneo", sublinha Mauro Anastasio, porta-voz do European Environmental Bureau (EEB) e da Coolproducts.
A iluminação LED consome cinco vezes menos energia do que as lâmpadas de halogéneo.

As lâmpadas de halogéneo duram em média dois anos. As de LED 15 a 20 anos. Além disso, têm uma eficiência energética superior.

A eliminação progressiva do halogéneo evita mais de 15 milhões de toneladas de emissões de carbono por ano, valor equivalente ao consumo anual de eletricidade em Portugal.

A Philips, fabricante de iluminação, estima que será possível economizar, por pessoa, até 112 euros por ano com esta troca.
Falsa economia de custos
Atualmente, as lâmpadas halógenas são mais baratas que os LEDs. No entanto, são uma “uma falsa economia” de custos, afirma Stewart Muir, gerente de produtos da Energy Savings Trust.

"Uma lâmpada de halogéneo pode ser mais barata, mas os custos de eletricidade serão muito mais caros, enquanto uma lâmpada LED poderá ser paga num ano", frisou Muir.
Alguns especialistas não estão satisfeitos a interferência de Bruxelas.
"A tentativa da União Europeia de proibir lâmpadas de halogéneo está errada, porque os consumidores vão sofrer financeiramente. São os mais pobres que sofrem com estes tipos de políticas", disse ao The Guardian Jonathan Bullock, porta-voz de energia do Ukip no Parlamento Europeu.

“Os clientes devem ter a liberdade de escolha em relação às lâmpadas. [As lâmpadas] não deveriam ser impostas pela União Europeia”, acrescentou Bullock.
Tópicos