Local de testes nucleares da Coreia do Norte destruído

| Mundo

|

Jornalistas internacionais convidados para assistir ao processo de desmantelamento nuclear da Coreia do Norte afirmam que a zona de testes de Punggye-ri foi destruída.

Os jornalistas no local garantem ter assistido a uma explosão que terá destruído pelo menos três dos túneis utlizados para os ensaios nucleares norte-coreanos.

O momento foi relatado por um jornalista da CNN, que assistiu às explosões a cerca de 500 metros de distância.

"Eles levaram-nos para três dos quatro túneis no local. Deram-nos autorização para abrir as portas dos túneis, espreitar, mas não pudemos entrar", disse o jornalista da CNN. "Tanto quanto foi possível ver, estavam lá vários explosivos".

Já cá fora, os jornalistas assistiram a uma série de explosões. Foram depois de novo levados ao local onde observaram a destruição desses mesmo túneis.

De acordo com este jornalista norte-americano, no local não estavam peritos internacionais para certificarem a eficácia das explosões. Diz ainda que há quatro túneis apesar de os jornalistas terem apenas observado a destruição de três. Um quarto túnel que foi utilizado num teste nuclear em 2006 está, de acordo com responsáveis norte-coreanos, encerrado.

"Mostraram ainda outros dois túneis que, dizem, nunca foram utlizados mas que estão até hoje preparados para realizar testes nucleares a qualquer momento", afirmou o jornalista da CNN.

A Coreia do Norte tinha garantido recentemente que ia avançar com o processo de desmantelamento nuclear do país, num sinal de boa vontade para o restabelecimento de relações com os EUA e a Coreia do Sul.

Há no entanto relatos de que os túneis que terão sido agora destruídos, e de onde eram realizados os testes nucleares, tinham colapsado em setembro de 2017 e estavam inoperacionais.

Todos os seis testes nucleares realizado pelo país foram em Punggye-ri.

Tópicos:

nuclear, Coreia do Norte,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.