Macron diz que Nova Caledónia não se pode ser "um faroeste"

por Lusa
Macron apelou à calma e prometeu responder às reivindicações Ludovic Marin - Pool - EPA

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse, numa entrevista transmitida esta sexta-feira, que o território ultramarino da Nova Caledónia, afetada há quase duas semanas por uma vaga de violência, não se pode transformar em "um faroeste".

Numa entrevista ao canal de televisão público Nouvelle-Calédonie La 1ère, gravada na quinta-feira, durante uma visita de 12 horas ao arquipélago do Pacífico Sul, Macron justificou o envio de três mil efetivos das forças de segurança com a necessidade de um "regresso à calma".

"A República deve recuperar a autoridade em todos os pontos. Em França, não é cada um que se defende a si próprio", disse o chefe de Estado, referindo-se aos grupos de milícias que têm organizado a defesa de bairros da capital da Nova Caledónia, Numeá.

"Existe uma ordem republicana, são as forças de segurança que a asseguram", insistiu Macron, assegurando querer reconduzir o arquipélago ao "caminho do apaziguamento".

Hoje, no final da visita ao território, o presidente da França anunciou a suspensão da reforma eleitoral que desencadeou a revolta e provocou pelo menos seis mortos.

"Depois de ouvir toda a gente, comprometi-me a que esta reforma não entre em vigor no contexto atual", disse Macron em Numeá, citado pela agência de notícias francesa France-Presse.

O chefe de Estado disse que deu às partes "mais algumas semanas" para negociar e comprometeu-se a apresentar um relatório intercalar "dentro de um mês" sobre o futuro institucional do arquipélago.

Macron apelou ainda ao fim dos bloqueios de estradas "nas próximas horas" para levantar o estado de emergência na Nova Caledónia.

O Aeroporto Internacional de Numeá vai permanecer encerrado aos voos comerciais até às 22h00 de segunda-feira em Lisboa, disse o diretor da Câmara de Comércio e Indústria do arquipélago francês.

O aeroporto de La Tontouta está fechado aos voos comerciais desde o passado dia 14 de maio devido aos bloqueios de estradas.

A reforma aprovada pela Assembleia Nacional em Paris alargaria o eleitorado para as eleições provinciais a todos os naturais de Nova Caledónia e residentes há pelo menos 10 anos.

 

Tópicos
pub