Mais de 250 intérpretes afegãos em risco devido a email do Ministério de Defesa britânico

por Carla Quirino - RTP
WANA (West Asia News Agency) - Reuters

Numa correspondência eletrónica entre o Ministério de Defesa do Reino Unido e os antigos colaboradores afegãos, os endereços de email de mais de 250 pessoas foram partilhadas sem estarem ocultadas. Estão também algumas fotografias associadas. O Secretário de Estado de Defesa, Ben Wallace já ordenou uma investigação para aferir o que aconteceu com o correio eletrónico entre o Ministério e os intérpretes que, por segurança, permanecem escondidos.

Os antigos intérpretes afegãos que trabalharam para as forças do Reino Unido procuram recolocação em solo britânico. Muitos estão escondidos desde que os talibãs ocuparam o poder no fim de agosto.

Nos contactos entre o Ministério de Defesa (MoD) para colocar os colaboradores a salvo, um email deixou visível os endereços dos intérpretes.

Todos os destinatários passaram a ver os nomes das pessoas envolvidas, assim como muitas fotografias de perfil dos intervenientes.

Um aparente engano na colagem dos endereços eletrónicos colocou mais de 250 intérpretes em risco de serem identificados facilmente.
O email
Esta carta eletrónica foi enviada pelo grupo de trabalho destacado para tratar da Política de Recolocação e Assistência Afegã (Arap) do Reino Unido. Esta equipa está em contacto com todos os colaboradores desde a chegada dos talibãs.

No texto, os funcionários britânicos dizem que estão a fazer todo o possível para ajudar e que enquanto não for seguro, devem manter-se escondidos, assim como as famílias.

O alerta dos endereços não codificados chegou pela voz de um dos destinatários que se apercebeu dos mais de 250 compatriotas, supostamente, na mesma situação.

"Esse erro pode custar a vida de intérpretes, especialmente para aqueles que ainda estão no Afeganistão", disse um eles à BBC.

"Alguns dos intérpretes não perceberam o erro e já responderam a todos os e-mails e explicaram sua situação, que é muito perigosa. O e-mail contém fotos de seus perfis e dados de contato", acrescentou.

Trinta minutos mais tarde, o MoD enviou novo e-mail com o cabeçalho a dizer "Urgente – contato do caso Arap", onde se pedia que os destinatários excluíssem a carta anterior e alertando que o "seu endereço de email pode ter sido comprometido".

Os serviços do Ministério britânico também recomendaram que os afegãos criassem novo endereço eletrónico para correspondência futura.
Reações
"A realidade é que deixamos a vasta e vasta maioria de nossos intérpretes para trás, então isso terá um impacto profundo nas pessoas que ainda estão no país. " disse Johnny Mercer, parlamentar conservador e ex-ministro da defesa, à BBC.

Acrescentou saber de um caso de execução de um afegão treinado pelo Reino Unido e cuja família está agora em fuga.

"As falhas do Ministério da Defesa e do Ministério do Interior levaram os aliados afegãos a serem perseguidos impiedosamente pelo Talibãs", sublinhou Mercer. 

John Healey, parlamentar trabalhista, declarou que a violação de dados "colocou vidas em risco desnecessariamente". Pediu ao governo que "intensifique os esforços para trazer os intérpretes" para o Reino Unido.
Ben Wallace, Ministério de Defesa | Toby Melville - Reuters

O Ministério de Defesa pediu desculpas em comunicado. O Secretário de Estado de Defesa, Ben Wallace mandou instaurar uma investigação interna para avaliar a violação da correscondência.

Wallace disse à BBC que o erro foi uma "violação inaceitável".

Um porta-voz do MoD disse: "Foi lançada uma investigação sobre a violação de dados da equipa de Política de Assistência a Recolocações Afegãs. Pedimos desculpas a todos os afetados por essa violação e estamos a trabalhar muito para garantir que isso não volte a acontecer".

"O Ministério da Defesa leva muito a sério as suas responsabilidades no manuseio de informações e dados", acrescentou.

Mais de 17.000 pessoas foram resgatadas pelo Reino Unido, tornando-se a maior operação para retirar refugiados desde a segunda guerra mundial.


Tópicos
pub