Marine Le Pen. Frente Nacional passa a União Nacional

| Mundo

Marine Le Pen durante o XVI.º congresso, "refundador", da Frente Nacional, em Lille
|

O objetivo é limpar associações a racismo e a anti-semitismo coladas ao nome Frente Nacional. Marine Le Pen, reeleita este domingo líder da extrema-direita francesa num congresso "refundador", assumiu que pretende facilitar alianças com outros partidos e que quer chegar ao topo.

"O nosso objetivo é claro: poder", disse Le Pen perante os delegados reunidos na cidade de Lille. "Começamos por ser um partido de protesto", acrescentou, e "não deveria haver dúvidas agora de que podemos ser um partido de poder".

A mulher que ficou em segundo lugar na corrida ao Eliseu diz que os militantes não se devem envergonhar da história da Frente Nacional, um partido criado pelo pai da atual presidente, Jean Marie le Pen.

A líder defende que o partido carrega perceções negativas e que, por isso é necessário mudar. Sinal dos tempos, a suspensão neste congresso do número dois dos jovens da Frente Nacional, o luso descendente Davy Oliveira Rodriguez, que insultou com palavras racistas um segurança de uma discoteca de Lille.

Durante o discurso, Marine le Pen lançou criticas às políticas migratórias e económicas de Emmanuel Macron e propõs uniões com pequenos movimentos.

A presidente do partido de extrema direita vai tentar compromissos para as eleições locais de 2019 e 2020.

O rebatismo foi aprovado sábado por uma margem mínima dos membros, 52 por cento. O novo nome será igualmente objeto de voto.

Em entrevista no mês passado à Agência Reuters, Jean-Marie Le Pen, o veterano de 89 anos que fundou a Frente Nacional em 1972, considerou que a mudança de nome é um "suicídio" político.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP ouviu os seis lideres partidários sobre temas que escapam aos programas políticos e que contribuem para definir o perfil dos candidatos.

    Uma sondagem da Universidade Católica aponta para o fim da hegemonia laranja na Madeira, apesar da vitória do PSD nas regionais (38%) do próximo domingo.

    Na semana em que se assinala o início da II Guerra Mundial, a RTP conta histórias de portugueses envolvidos diretamente no conflito.

      Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.