Marine Le Pen quer retirar dupla nacionalidade aos judeus franceses

| Mundo

|

Se for eleita, a candidata presidencial da extrema-direita pretende obrigar os judeus com nacionalidade francesa e israelita a escolherem uma das duas.

A dupla nacionalidade é possível para pessoas que tenham dois passaportes da União Europeia. Mas, como lembra Marine Le Pen, citada no diário israelita Haaretz, "Israel não é membro da União Europeia e não se considera a si próprio como tal".

A dirigente da Frente Nacional anunciou que igualmente tenciona retirar a dupla nacionalidade a pessoas que acumulem o passaporte francês com o norte-americano ou com o de algum país magrebino. Já no que diz respeito à Rússia, Le Pen declarou que, para efeitos de dupla nacionalidade, tenciona tratá-la como se fosse um país da União Europeia. A Rússia, explicou, faz parte da "Europa de nações".

Na semana passada, a candidata da extrema-direita tinha reiterado o seu apoio à proibição de peças de vestuário características da religião islâmica, tal como essa proibição surgiu em França. Mas acrescentara que, em coerência, também é favorável à proibição das kipas - a pequena peça de indumentária que os homens judeus usam para cobrir o alto da cabeça.

Contudo, Le Pen não se limitou a preconizar a proibição das kipas: argumentou também, para ser ouvida pelos judeus: "A luta contra o Islão radical devia ser uma luta conjunta e toda a gente devia dizer:'Aí estamos a sacrificar alguma coisa' (...) Talvez eles [os judeus] se dêem por satisfeitos com usar um chapéu, isso seria um passo para o esforço de estigmatizar o Islão radical em França".

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.