NASA cria oxigénio respirável a partir da atmosfera de Marte

por Nuno Patrício - RTP
Foto: NASA / JPL-Caltech - Direitos Reservados

É mais um feito da tecnologia enviada recentemente pela NASA ao Planeta Vermelho. Depois do sucesso do voo de teste no mini-helicóptero Ingenuity, os investigadores da missão Perserverance deram agora conta de que conseguiram extrair oxigénio da atmosfera marciana, através do processador artificial MOXIE.

Chegam todos os dias à missão de controlo da NASA boas novas nos objetivos a que a agência espacial norte-americana se propôs na missão Mars 2020, com o mais recente rover Preserverance. E a lista de sucessos continua a crescer.

Entre os vários instrumentos a bordo deste verdadeiro laboratório artificial móvel, encontra-se uma pequena caixa de um tamanho equivalente a uma torradeira, de nome MOXIE.

Trata-se de um instrumento científico experimental denominado “Experiência de utilização dos recursos In-Situ de Oxigénio em Marte” (Mars Oxygen In-Situ resource utilization Experiment). Tem por tarefa recolher o ar da superfície de Marte, decompô-lo nas suas componentes químicas e extrair oxigénio respirável pelo ser humano.

Algo que o MOXIE provou ser possível, tenso sido obtido oxigénio que daria para um ser humano respirar normalmente durante dez minutos.

O teste ocorreu na passada terça-feira, no sexagésimo dia marciano, desde que o Perserverance chegou ao Planeta Vermelho, a 18 de fevereiro.


Embora este resultado tenha sido apenas o primeiro entre muitos, a experiência pode abrir caminho a que algo que a ficção científica apresenta como normal em ambientes espaciais e extraterrestres se torne efetivamente num facto científico.
Com esta capacidade de isolar e armazenar oxigénio, extraído da atmosfera de Marte, composta por 96 por cento de dióxido de carbono, este instrumento, ainda muito rudimentar, prova a possibilidade de criar recursos que ajudem os astronautas a respirar e a fornecer energia aos foguetes nas viagens interplanetárias.
“Este é um primeiro passo crítico na conversão de dióxido de carbono em oxigénio em Marte”, refere Jim Reuter, administrador associado STMD.

“O MOXIE tem mais trabalho a realizar, mas os resultados desta demonstração de tecnologia são promissores, à medida que avançamos em direção ao nosso objetivo de, um dia, ver humanos em Marte. O oxigénio não é apenas aquilo que respiramos. O combustível para o foguetão precisa de oxigénio e os futuros exploradores vão sempre depender da produção de combustível em Marte para fazer a viagem de regresso a casa”.

Também Michael Hecht, principal investigador do MOXIE, do Observatório Haystack do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), refere que, “para foguetes ou astronautas, o oxigénio é a chave. Quando enviarmos humanos a Marte, queremos que eles voltem em segurança e, para isso, precisam de um foguete para sair do planeta. Combustível de oxigénio líquido é algo que poderíamos fazer lá e não ter que transportar connosco. Uma ideia seria trazer um tanque de oxigénio vazio e enchê-lo em Marte".

Nesta primeira operação, a produção de oxigénio pelo MOXIE foi bastante modesta - cerca de cinco gramas, equivalente a cerca de dez minutos de oxigénio respirável para um astronauta. Mas o MOXIE foi projetado para gerar até dez gramas de oxigénio por hora, ou seja, 20 minutos de oxigénio respirável.

De acordo com os criadores do MOXIE, este “conversor atmosférico” deve extrair oxigénio durante pelo menos nove vezes, ao longo de um ano marciano (quase dois anos na Terra).

Crédito: Observatório MIT Haystack

Após um período de aquecimento que durou cerca de duas horas, o MOXIE começou a produzir oxigénio a uma taxa de seis gramas por hora. De acorco com a NASA, foi dada ordem ao conversor para reduzir a produção de oxigénio por duas vezes (rotulado como “varreduras atuais”), para avaliar o funcionamento do instrumento. Depois de uma hora de operação, o oxigénio total produzido foi de cerca de 5,4 gramas.

Se este pequeno instrumento, experimental, consegue extrair numa hora ar respirável para 20 minutos, noves meses em pleno funcionamento daria oxigénio para um ser humano respirar durante um mês.

O MOXIE é o resultado de uma investigação de tecnologia de exploração - assim como a estação meteorológica Mars Environmental Dynamics Analyzer (MEDA) - e é patrocinado pelo Space Technology Mission Directorate (STMD) e pelo Human Exploration and Operations Mission Directorate.

Localização do MOXIE no Preserverance. NASA/JPL-Caltech - DR
Curiosidades sobre o MOXIE
- Produção de oxigénio em Marte. O dióxido de carbono compõe cerca de 96 por cento da atmosfera do Planeta Vermelho. O oxigénio representa apenas 0,13 por cento, em comparação com 21 por cento na atmosfera da Terra;

- O MOXIE tem o tamanho de uma bateria de carro. Os futuros geradores de oxigénio que suportam missões humanas em Marte devem ser cerca de 100 vezes maiores;

- Para realizar um lançamento (foguete) em Marte, os exploradores precisam de cerca de 33 a 50 toneladas (30 a 45 toneladas métricas) de combustível, aproximadamente o peso do antigo space shuttle;

- O MOXIE produz oxigénio como uma árvore. Este conversor recolhe (inspira) dióxido de carbono e expele oxigénio;

- O oxigénio líquido feito em Marte pode fornecer mais de três quartos do combustível necessário para explorar o Planeta Vermelho.

Tópicos
pub