Nicarágua demarca-se de acordo e denuncia procedimento antidemocrático

| Mundo

A Nicarágua demarcou-se do acordo hoje alcançado na conferência do clima em Paris (COP21) e denunciou "o procedimento antidemocrático" usado na votação pela presidência francesa, considerando que enfraquece o resultado final.

No plenário, o ministro das Políticas Nacionais nicaraguense, Paul Oquist, criticou "o procedimento antidemocrático" usado pelo presidente da reunião, o chefe da diplomacia francesa, Laurent Fabius, que "enfraquece o multilateralismo, esta COP e o seu acordo".

Oquist garantiu não querer bloquear o compromisso, mas trabalhar para o aperfeiçoar com sugestões "para o bem da mãe terra e da humanidade". O ministro referiu, sem citar quais, que outras nações apoiavam a posição da Nicarágua.

Sobre as razões "mediante as quais não é possível acompanhar este consenso, Oquist sublinhou que embora tenha sido fixado o objetivo de limitar o aquecimento a 1,5 graus centígrados até final do século, medida "absolutamente crítica" para países tropicais como a Nicarágua, existem problemas no estabelecimento do nível necessário de redução de emissões de gases com efeito de estufa.

"Falta trabalho" do painel internacional de peritos sobre o clima (GIEC), disse.

Oquist advertiu que não será possível corrigir esta questão em dez ou 15 anos, quando foram revistos os objetivos.

Por outro lado, se "25% dos compromissos dos países em desenvolvimento estão condicionados a terem financiamento (...), não se vê nada sobre financiamento no documento", afirmou.

O ministro da Nicarágua pediu que seja calculado um orçamento de emissões de carbono globais, que tenha em conta as "responsabilidades históricas".

A Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21) aprovou um acordo global vinculativo em que 195 países, desenvolvidos e em desenvolvimento, se comprometem a caminhar para uma economia de baixo carbono e tomarem medidas para limitarem o aquecimento global da atmosfera até 2100 a 1,5 graus centígrados, em relação aos valores médios da era pré-industrial.

Tópicos:

Paris,

A informação mais vista

+ Em Foco

Declarações exclusivas de Valdemar Alves ao Sexta às 9, que se debruçou sobre a reconstrução após os incêndios de 2017.

O realizador italiano tinha 96 anos. Além do cinema, deixou marcas no teatro e na ópera mundial.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.