Ninguém sabe onde está o jornalista saudita Jamal Khashoggi

| Mundo

|

O consulado da Arábia Saudita em Istambul sustentou, esta quinta-feira, que o jornalista saudita Jamal Khashoggi foi visto a sair do edifício antes de ter desaparecido, contrariando a informação dos oficiais turcos que disseram acreditar que o jornalista ainda estaria dentro do consulado saudita.

O consulado da Arábia Saudita, em Istanbul, emitiu um comunicado onde “confirma que está a acompanhar as investigações e a cooperar com as autoridades locais turcas para desvendar as circunstâncias do desaparecimento de Hamal Khashoggi, depois de este ter saído do edifício”.

De acordo com a emissora britânica BBC, Khashoggi chegou ao consulado acompanhado da sua noiva, que não pôde entrar com ele. O jornalista foi também obrigado a deixar o seu telemóvel à entrada, um procedimento normal em algumas embaixadas e consulados, adianta a BBC.

Oficiais sauditas afirmaram que as notícias do desaparecimento eram falsas e que o jornalista tinha saído do consulado “pouco depois de ter entrado”. A sua noiva, que permaneceu fora do edifício à espera do jornalista, contrariou essa informação e fez questão de esclarecer que ninguém com quem falou o viu sair.

As sucessivas informações contraditórias das autoridades sauditas e turcas vêm adensar ainda mais o mistério sobre o paradeiro de Khashoggi, um crítico das políticas do príncipe Mohammed bin Salman, sucessor direto do rei da Arábia Saudita. O jornalista estava refugiado nos Estados Unidos e colaborava regularmente com o jornal americano, Washington Post.

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.