Nord Stream. UE acredita em sabotagem no gasoduto e promete resposta "robusta"

por Inês Moreira Santos - RTP
Hannibal Hanschke - Reuters

A União Europeia admitiu, esta quarta-feira, que considera que as duas fugas nos dois gasodutos submarinos Nord Stream foram causadas por sabotagem. Sem acusar diretamente a Rússia, Josep Borrell prometeu uma resposta europeia "robusta" em caso de ataque às infraestruturas energéticas.

Na terça-feira, Ursula von der Leyen afirmou que uma interrupção propositada nos gasodutos teria “uma resposta o mais forte possível”. Sem apontar culpados diretos, a UE já tinha acusado a Rússia de usar o fornecimento de gás e o Nord Stream como arma contra o Ocidente.

"Agora é primordial investigar os incidentes, obter total clareza sobre os eventos e porquê. Qualquer interrupção deliberada da infraestrutura energética europeia ativa é inaceitável e levará à resposta mais forte possível", disse a presidente da Comissão Europeia.

Também para Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, "os atos de sabotagem da Nord Stream parecem ser uma tentativa de desestabilizar ainda mais o fornecimento de energia para a UE".

“É necessária uma investigação urgente e completa”, advertiu. “Os responsáveis serão totalmente responsabilizados e obrigados a pagar”.

No entanto, deixou claro que os esforços europeus “para diversificar o fornecimento de energia longe do gás russo continuam”.


A diplomacia ucraniana, por seu lado, acusou mesmo a Rússia de um “ataque terrorista”, ao alegadamente sabotar os gasodutos que fornecem energia à Europa.

Já esta quarta-feira o representante da UE para a Política Externa afirmou que toda a informação até agora disponível aponta para que as fugas relatas tenham sido, efetivamente, sabotagem. Josep Borrell advertiu por isso que, se tal se provasse, a UE daria uma resposta “robusta”.

"Todas as informações disponíveis indicam que as fugas são o resultado de um ato deliberado", sublinhou. "Qualquer interrupção deliberada da infraestrutura energética da Europa é completamente inaceitável e será recebida com uma resposta forte e unida".


Em comunicado divulgado esta manhã, o alto representante da UE para a Política Externa salientou que o bloco comunitário “está profundamente preocupado com os danos causados nos gasodutos Nord Stream 1 e 2, que resultaram em fugas nas águas internacionais do Mar Báltico”.

As preocupações com a segurança e o meio ambiente, especificou Borrell, “são de extrema prioridade”. Para o chefe da diplomacia europeia, estes incidentes “não são uma coincidência” e “afetam-nos a todos nós”.

Os operadores do Nord Stream 2 alertaram, na segunda-feira, para uma perda de pressão no gasoduto, que levou as autoridades dinamarquesas a apelarem aos navios para evitar aproximar-se da ilha de Bornholm. Na terça-feira, os responsáveis do Nord Stream 1 informaram que as linhas submarinas tinham sofrido danos “sem precedentes”.

Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, reagiu e afirmou estar “extremamente preocupado” com as fugas, acrescentando que não podia ser descartada a possibilidade de um ataque deliberado.
É “estúpido e absurdo” suspeitar da Rússia
Em reação às acusações europeias, o Kremlin respondeu que é “estúpido e absurdo” suspeitar que a Rússia seja responsável pela sabotagem dos gasodutos Nord Stream.

"Era bastante previsível" que culpassem a Rússia, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, numa conferência de imprensa.

"Previsível, estúpido e absurdo".

Estas fugas no Nord Stream 1 e 2 são "problemáticos para nós, porque ambos os tubos estão cheios de gás pronto para ser bombeado, e esse gás é muito caro” e agora está a ser desperdiçado.

Peskov apelou, por isso, que se pense “antes de falar” e que se espere pelos “resultados das inspeções para saber se foi uma explosão ou não”

"Esta situação exige diálogo, interação rápida entre todas as partes para saber o que aconteceu. Neste momentos, vemos uma completa ausência de diálogo", lamentou.

pub