Novo ataque a aldeia remota faz cinco mortos e destrói 120 casas em Moçambique

| Mundo

Um grupo armado atacou na noite de sexta-feira uma aldeia remota do norte de Moçambique, Maganja, onde matou cinco pessoas e incendiou 120 casas ao mesmo tempo que saqueava a povoação, disse à Lusa fonte das autoridades.

A aldeia fica situada no distrito de Palma, a cerca de cinco quilómetros do perímetro atribuído à construção de empreendimentos ligados à exploração de gás natural.

Suspeita-se que os autores fazem parte do mesmo movimento, composto por diferentes células, que tem atacado residentes de povoações no meio do mato, sem eletricidade nem infraestruturas, da província de Cabo Delgado, desde outubro de 2017.

O grupo entrou na aldeia de Maganja pelas 23:00, roubou arroz, outros produtos alimentares e alguns animais, como cabritos.

As vítimas foram assassinadas com golpes de catana e disparos de armas de fogo.

Só na mais recente vaga de violência, desde 27 de maio, morreram pelo menos 29 habitantes, 11 supostos agressores e dois elementos das forças de segurança, segundo números das autoridades e testemunhos da população recolhidos pela Lusa.

Antes da incursão na noite de sexta-feira, em Maganja, o ataque anterior tinha acontecido na noite de terça-feira na aldeia remota de Litandakua, posto administrativo de Chai, distrito de Macomia - mais de 100 quilómetros em linha reta a sudoeste, na mesma província, Cabo Delgado.

 

Tópicos:

Maganja,

A informação mais vista

+ Em Foco

A destruição causada pelas chamas no Estado norte-americano da Califórnia retratada numa galeria de fotografias.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      O ex-ministro da Defesa israelita Avigdor Lieberman acumulou diatribes ao longo da carreira política.

        Fotografias publicadas em livro da autoria do artista berlinense Martin Dammann lançam uma nova luz sobre o lado mais obscuro da Wehrmacht.