O bisneto de Franco que quer ser rei de França e se enfurece com as manifestações nos EUA

por RTP
Manifestação em Louisville, Kentucky Bryan Woolston, Reuters

Luis Alfonso de Borbón, bisneto do ditador espanhol e candidato a ocupar o trono da República francesa, apareceu no Twitter a reclamar que as autoridades de Louisville, nos EUA, restaurem a estátua danificada do rei francês guilhotinado em 1793.

O autodesignado duque de Anjou e "herdeiro" do inexistente trono francês tem vindo a insurgir-se contra o que classifica de vandalismo dos manifestantes de Black Lives Matter, na vaga que o assassínio do afroamericano George Floyd desencadeou. A esse alegado vandalismo atribuiu a amputação da mão direita de uma estátua que ainda hoje subsiste na cidade kentuckiana de Louisville, tal como ela aparece num vídeo.

Mas o vídeo mostra outra coisa: a estátua encontra-se rodeada de uma massa compacta de manifestantes e um deles, empoleirado nela, apoia-se na mão do último rei francês. A certa altura, a mão cede, com tal surpresa para o manifestante que ele próprio cai com o fragmento da estátua.

Embora possa ser considerado um anacronismo que o rei decapitado em França se tenha mantido de pé em Louisville, e embora estátuas igualmente obsoletas tenham com frequência sido derrubadas em momentos de convulsão revolucionária, o vídeo mostra outra coisa: não um acto de demolição, mas um acidente.

Mas o duque e candidato ao título de Luís XX de França não esteve com meias medidas e, num tweet iracundo, apresentou-se como herdeiro do rei decapitado, reclamando que as autoridades da cidade norte-americana restaurassem a estátua danificada. O tweet tem, em todo o caso, o atrativo de apresentar o momento da danificação acidental.

À estupefacção de muitos utilizadores do Twitter por existir em cidade norte-americana a estátua de um símbolo tão execrado da monarquia como Luís XVI, tem respondido o orgulhoso descendente que se trata de um sinal de gratidão norte-americana porque "Luís XVI trouxe a independência ao país [EUA]" (com isso alude ao apoio concedido pela França aquando da guerra da independência dos EUA).

Além de se pronunciar sobre a política norte-americana e a francesa, o putativo Luís XX de França também se manifesta sobre a política espanhola, sempre em inglês ou francês. Na exumação de Franco, fez questão de transportar o féretro do ditador e explica: "Quando se ataca Franco, ataca-se os meus, a monarquia que instaurou e a Igreja que protegeu". É presidente honorário da Fundação Francisco Franco e amigo pessoal de Víctor González Coello de Portugal, deputado e vice-presidente do partido de extrema-direita, Vox.
pub