Em direto
Euro2024. Acompanhe aqui, ao minuto, o encontro do Grupo A entre Hungria e Suíça

Paz, clima e migrações foram temas do encontro entre primeiro-ministro e o Papa

por Lusa

O primeiro-ministro António Costa, que hoje teve uma audiência com o Papa, no Vaticano, para agradecer a realização da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) em Portugal, falou sobre a paz, clima e migrações com Francisco, revelou após o encontro.

"Foi, essencialmente, uma viagem de agradecimento ao Papa Francisco, em primeiro lugar, por ter escolhido Portugal para a realização da JMJ. Foi um trabalho extraordinário que, ao longo destes cinco anos, fomos desenvolvendo, porque aquela semana requereu muito trabalho durante muitos anos e foi um trabalho muito intenso entre o Governo e Santa Sé, com a Igreja Portuguesa e com todas as instituições, com as autarquias que trabalharam muito para que fosse possível esta Jornada", afirmou António Costa.

O chefe do executivo falava aos jornalistas na Embaixada de Portugal junto da Santa Sé, em Roma, após uma audiência, a seu pedido, com o Papa para agradecer a escolha de Portugal para a realização da JMJ e a visita de Francisco ao país, em agosto último.

No encontro, de 45 minutos, António Costa disse que abordaram questões sobre as quais o Papa "tem dado particular atenção", como as migrações, alterações climáticas, desigualdades e a paz.

"O Papa Francisco - creio que não direi nenhuma especial novidade - é uma pessoa particularmente cativante, particularmente empática, que tem uma mensagem particularmente clara e com que, pelo menos para mim, é bastante fácil me encontrar com a sua palavra, com a sua mensagem e, portanto, é sempre uma conversa muito enriquecedora", declarou, referindo ter saído da audiência "mais rico espiritualmente".

Por outro lado, António Costa considerou ser fácil converter-se à palavra do Papa sobre o que diz relativamente às migrações, às alterações climáticas ou à necessidade de se encontrar a paz e combater as desigualdades.

O líder do Governo destacou ainda que uma das chaves do sucesso do Papa Francisco tem sido "o procurar fazer a pedagogia dos valores, mais do que o proselitismo da religião".

"Acho que tem atingido mais pessoas, tem mobilizado mais pessoas e quando se dirige a todos, tem, aliás, insistido que todos implica também aqueles que não são crentes", adiantou.

O primeiro-ministro disse ainda ter sentido "uma vontade grande do Papa Francisco de aprofundar a reflexão sobre aquilo que a Igreja tem de fazer para continuar cada vez mais conectada com as pessoas".

"Transmite-lhe também que, não sendo crente, há uma coisa sobre a qual não tenho dúvidas: é que o que diferencia uma sociedade, uma comunidade, é a capacidade de partilhar valores. E esses valores são os mais diversos. E, obviamente, nas nossas sociedades, os valores do cristianismo são valores hoje comuns da nossa sociedade e não só valores dos crentes", assim como da União Europeia, adiantou.

Para António Costa, "é muito importante que instituições como a Igreja tenham força, tenham vitalidade, tenham energia para que esses valores se frutifiquem e ajudem a fortalecer o sentido de comunidade".

Após o encontro com o Papa, o chefe do executivo teve ainda uma audiência com o secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.

António Costa fez-se acompanhar pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, pela ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, que teve a tutela da organização da JMJ, e o embaixador de Portugal junto da Santa Sé, Domingos Fezas Vital.

A delegação portuguesa incluiu ainda o assessor diplomático do primeiro-ministro, Fernando Morgado, e a ministra conselheira junto desta embaixada, Lúcia Portugal Núncio.

Entretanto, a Sala de Imprensa da Santa Sé informou que nas audiências "foi louvada a eficiente colaboração na organização" da JMJ e "a positiva contribuição da Igreja na sociedade portuguesa no atual contexto sociopolítico e outras questões de interesse comum", tendo havido "ainda uma partilha de pontos de vista sobre a situação internacional, com particular atenção às consequências da guerra na Ucrânia e o fenómeno das migrações".

Na habitual troca de presentes, António Costa recebeu do Papa a mensagem para o Dia Mundial da Paz deste ano, o livro "Statio Orbis", com as mensagens do Papa na oração pela Humanidade no início da pandemia de covid-19 (março de 2020), quando rezou sozinho na Praça de São Pedro, e uma escultura em bronze com o título "Ramo de oliveira".

Ao Papa, António Costa ofereceu um pequeno álbum com duas fotografias simbólicas da JMJ.

Tópicos
pub