Pequim censura vídeo que homenageia fotógrafos em cenários de risco

| Mundo

A fotografia mundialmente conhecida de um homem em frente a quatro tanques de guerra chineses, impedindo-os de avançar, é refletida na lente da câmara que surge no final do vídeo
|

A China censurou um vídeo promocional alegadamente lançado pela Leica, empresa alemã de produção de câmaras fotográficas, no qual surge uma referência ao massacre de 1989 na Praça de Tiananmen, em Pequim. A Leica já se distanciou da produção do vídeo, cujo objetivo é prestar homenagem aos fotógrafos que se colocam em risco para que o mundo possa ver a realidade através das suas lentes.

O vídeo de cinco minutos, realizado por uma agência de publicidade brasileira e alegadamente lançado pela Leica, mostra fotógrafos em situações extremas por todo o mundo, no meio de cenários de guerra ou habitats de animais selvagens.

O fio narrativo do vídeo é a história de um fotógrafo que tenta capturar imagens do Massacre da Praça da Paz Celestial, conhecida como Praça de Tiananmen, e que é impedido de sair do seu hotel por militares chineses.

Por fim, o fotógrafo consegue, a partir de uma varanda, fazer a fotografia mundialmente conhecida de um homem que faz frente a quatro tanques de guerra chineses, impedindo-os de avançar.

Esse homem, cuja identidade está ainda por revelar, foi apelidado de “rebelde desconhecido” e tornou-se o símbolo de um protesto pacífico contra as autoridades chinesas que, na altura, recorreram à força para anular os manifestantes.

“Este filme é dedicado àqueles que nos emprestam os seus olhos para que possamos ver”, lê-se no final do vídeo.



O Partido Comunista Chinês nunca revelou o número exato de manifestantes que morreram na Praça da Paz Celestial, mas estima-se que tenham sido centenas.

As referências ao episódio de 4 de junho de 1989 são fortemente censuradas nos meios de comunicação chineses e nas redes sociais do país.
Leica distancia-se
A China é atualmente o país com o mercado mais significativo para a Leica e a marca possui uma parceria com Huawei, fornecendo lentes para os telemóveis produzidos pela empresa chinesa de telecomunicações.

Depois de o vídeo promocional ter começado a ser censurado no país asiático, a Leica distanciou-se do mesmo e declarou não ter recebido qualquer sanção.“Nós caçamos, nós perseguimos, nós lutamos, nós arriscamos tudo”, ouve-se durante o vídeo, intitulado “Leica – The Hunt” (“A Caça”).

“A Leica distancia-se do conteúdo mostrado no vídeo e lamenta qualquer mal-entendido ou falsas conclusões que possam dele ter sido retiradas”, declarou uma porta-voz da marca. “O vídeo não foi financiado nem aprovado por nenhuma empresa do Grupo Leica”.

No entanto, a agência publicitária que produziu este curto filme, a F/Nazca Saatchi & Saatchi, possui uma relação duradoura com a Leica e um dos seus diretores afirmou que o vídeo já andava a ser preparado há mais de um ano.

Um comunicado da agência refere ainda que esta "nunca colocaria em risco a própria reputação ao criar, produzir e divulgar um trabalho que não tivesse recebido a aprovação do cliente".

Tópicos:

Censura, China, Fotógrafos, Massacre, Leica,

A informação mais vista

+ Em Foco

Milícias separatistas apoiadas e armadas pelos Emirados Árabes Unidos tomaram a capital do sul, reforçando a sua posição face aos antigos aliados sauditas.

    Dois anos depois do grande incêndio de Pedrógão, a floresta continua por ordenar e o Governo conta com pelo menos uma década para introduzir as mudanças necessárias.

      Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

        Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.