Pode vir aí uma "variante pior" do que a Delta, avisa Anthony Fauci

por RTP
Anthony Fauci acredita que o próximo passo será a obrigatoriedade da vacina contra o Covid-19 EPA

Uma variante ainda pior do que a Delta poderá surgir, alertou o especialista em doenças infecciosas e conselheiro médico da Casa Branca, Anthony Fauci. O especialista imputou responsabilidades àqueles que continuam sem se vacinar, de poderem contribuir para a mutação do vírus.

“Há um princípio que toda a gente conhece em virologia: um vírus não sofre mutação a menos que se permita que ele se replique (…). Felizmente para nós, as vacinas funcionam muito bem contra a Delta, particularmente para proteger-nos de doenças graves”, declarou o conselheiro da Casa Branca em entrevista à MSNBC.

“Mas, se se permitir uma oportunidade de o vírus continuar a mudar, estar-se-á a conduzir a uma vulnerabilidade que poderá resultar numa variante ainda pior e então isso irá ter impacto não apenas nos que não estão vacinados, mas também nos vacinados, porque essa variante poderá escapar à proteção da vacina”, concluiu.

Apesar dos esforços de Anthony Fauci e da Casa Branca para promover a vacinação contra a Covid-19, a taxa tem diminuído e os casos de infeção por coronavírus têm aumentado. Medidas de proteção contra a propagação do vírus, como o uso obrigatório de máscara foram restabelecidas em cidades como Los Angeles e Las Vegas. Em Nova Iorque será necessário fazer prova da toma da vacina para entrar em restaurantes e ginásios.

“Passo extra” para a vacinação

Anthony Fauci acredita que após a aprovação das vacinas a nível federal pela Federal Drug Administration, o que deverá acontecer no final do mês, será mais fácil para as empresas privadas exigirem a obrigatoriedade de vacinação.

“Chegou a hora em que temos de dar um passo extra para ter as pessoas vacinadas”, defendeu Fauci.

Esta segunda-feira, mais uma empresa - a Gilead Sciences Inc. – tornou público que os seus funcionários e subcontratados nos Estados Unidos têm de ter a vacinação completa contra a Covid-19 a partir de 1 de outubro.

O anúncio da empresa de biotecnologia sucede-se ao da farmacêutica Pfizer, que na semana passada divulgou que os seus trabalhadores terão de ser vacinados ou fazer testes regulares.

Outras empresas como a Alphabet, a Apple e a Walt Disney começaram a exigir a vacinação dos seus empregados.

Até domingo, 50,1 por cento da população dos EUA foi totalmente vacinada contra o Covid-19, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA.

Críticos apontam a Fauci dualidade de critérios

O especialista alertou contra eventos como a concentração motard de South Dakota, que terá reunido centenas de milhar de pessoas. “Tenho muito receio (…) que vejamos um novo pico relacionado com esta concentração”, afirmou.

As declarações de Fauci a propósito de um evento conotado com o partido conservador, num Estado conservador, contrastam com o seu silêncio em relação a outros eventos, notam os seus críticos.

Por exemplo, a festa de aniversário de Barack Obama, que reuniu muitas celebridades que não usaram máscara, incluindo o próprio antigo presidente dos Estados Unidos, não mereceu comentários do conselheiro da Casa Branca.
pub