Prémio Nobel da Medicina atribuído a Svante Pääbo

por RTP
Henrik Montgomery - TT News Agency via Reuters

O Prémio Nobel da Medicina distingue este ano o cientista sueco Svante Pääbo pelas suas descobertas sobre a evolução humana. O vencedor foi esta segunda-feira anunciado pelo secretário-geral do Comité Nobel, Thomas Perlmann, em Estocolmo, na Suécia.

Svante Pääbo foi reconhecido com o Prémio Nobel da Medicina ou Fisiologia "pelas suas descobertas sobre os genomas de hominídeos extintos e a evolução humana", anunciou o Comité do Nobel no Instituto Karolinska, em Estocolmo. O especialista em genética, de 67 anos, centrou a sua investigação no genoma dos Neanderthal.


O biólogo sueco é especialista em genética e diretor do Departamento de Genética do Max Planck Institute, na Alemanha. Através da sua investigação pioneira, Svante Pääbo "realizou algo aparentemente impossível: sequenciar o genoma do Neandertal, um parente extinto dos humanos atuais".

"Também fez a descoberta sensacional de um hominídeo anteriormente desconhecido, Denisova"
, explica em comunicado o Comité.

De acordo com o Instituto Karolinska, "Pääbo também descobriu que a transferência de genes ocorreu desses hominídeos agora extintos para o Homo sapiens após a migração para fora da África há cerca de 70 mil anos".

"Esse antigo fluxo de genes para os humanos atuais tem relevância fisiológica hoje, por exemplo, afetando a forma como o nosso sistema imunitário reage a infeções".

A investigação do especialista sueco "deu origem a uma disciplina científica inteiramente nova: a paleogenómia".

"Ao revelar diferenças genéticas que distinguem todos os humanos vivos de hominídeos extintos, as descobertas fornecem a base para explorar o que nos torna exclusivamente humanos".

O seu pai, o bioquímico Sune Karl Bergström, também foi agraciado com o Nobel da Medicina em 1982.

Começou esta segunda-feira o período em que são atribuídos os prémios Nobel, tendo começado, como é tradição, com a categoria de Medicina. A escolha do Nobel de Medicina é proposta pelo Instituto Karolisnka, um centro de investigação sueco de medicina de prestígio mundial.

No ano passado, o Prémio Nobel da Medicina foi atribuído a David Julius e Ardem Patapoutian "pelas suas descobertas de recetores para a temperatura e o tato".

Os prémios Nobel nasceram da vontade do cientista e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em legar grande parte da sua fortuna a pessoas que trabalhem por "um mundo melhor". O prestígio internacional dos prémios Nobel deve-se, em grande parte, às quantias atribuídas, que atualmente chegam aos dez milhões de coroas suecas (mais de 953 mil euros).
pub