Em direto
Lacerda Sales ouvido na Comissão de Inquérito ao caso das gémeas

Provedora de Justiça da UE admite inquérito sobre ida de Barroso para Goldman Sachs

por Raquel Morão Lopes

Foto: Susana Vera - Reuters

Despachada a Comissão de Ética agora é a vez da Provedora de Justiça. Durão Barroso tem uma nova análise pela frente. Ao início da tarde de segunda-feira a Comissão de Ética considerou a ida do ex-presidente da Comissão Europeia para o "Goldman Sachs" como pouco sensata, mas sem nada a apontar em relação a integridade. O parecer deixou insatisfeita a Provedora de Justiça, que admite agora avançar com um inquérito.

Em comunicado divulgado poucas horas após a publicação da opinião do comité de ética 'ad hoc' - segundo o qual José Manuel Durão Barroso não violou as regras dos Tratados europeus ao aceitar o cargo de presidente não-executivo do Goldman Sachs, ainda que tenha demonstrado falta de "sensatez" - a Provedora, Emily O'Reilly, faz alguns reparos às conclusões e adverte que irá "refletir" sobre os próximos passos a tomar, "incluindo um possível inquérito".
pub