Recuperadas caixas negras do avião da Ethiopian Airlines

| Mundo

|

A companhia aérea etíope confirmou que foram recuperadas as caixas negras que registam a informação de voo e gravam as conversas no cockpit. O aparelho da Ethiopian Airlines despenhou-se este domingo, provocando a morte a 157 pessoas. A transportadora imobilizou a sua restante frota de Boeing 737. As autoridades chinesas e indonésias já ordenaram que as companhias aéreas de ambos países devem parar estes aparelhos.

Desde domingo que as equipas de investigação estão no local onde o aparelho Boeing 737 se despenhou. Esta segunda-feira, a companhia confirmou que conseguiu recuperar as caixas negras de entre os destroços: aquela que grava todas as informações de voo e aquela que guarda todas as conversas de voz.

Um responsável da aviação, citado pela agência Associated Press sob anonimato, adiantou, no entanto, que as caixas ficaram parcialmente destruídas. "Vamos ver o que conseguimos, o que será possível recuperar", disse.

O aparelho da Ethiopian Airlines despenhou-se na manhã deste domingo. O voo ET 302, destinado a Nairobi, desapareceu dos radares apenas seis minutos depois de sair do aeroporto de Addis Abeba.

As causas do acidente não são claras. No entanto, o chefe executivo da companhia aérea, Tewolde GebreMariam, admitiu que o piloto reportou dificuldades e tinha pedido para regressar a Addis Abeba.

As caixas negras vão conseguir fornecer mais pormenores sobre o que terá acontecido com o voo ET302. Uma testemunha citada pela Agência France Presse, relata que o avião estava a arder antes de embater no solo. Nenhum dos ocupantes sobreviveu.
O Boeing 737 MAX foi entregue à Ethiopian Airlines em 2018 e fez a manutenção a 4 de fevereiro.
Não há, para já, qualquer indicação das autoridades sobre as causas do acidente. No entanto, este é o segundo acidente com aparelhos Boeing 737 em menos seis meses. A 29 de outubro, um avião deste modelo caiu ao largo da Indonésia, também poucos minutos depois de levantar voo, matando 189 pessoas.

Uma das caixas negras do voo da Lion Air assinalou problemas no indicador da velocidade, num sensor mudado pouco tempo antes. Dados da caixa-negra do Boeing da Lion Air mostram que os pilotos tentaram contrariar o sistema automático de segurança que obrigava o avião a descer, segundo um relatório preliminar das autoridades indonésias. No entanto, ainda não há conclusões finais da investigação.

Ainda sem respostas, tanto a companhia etíope como as autoridades chinesas e indonésias optaram por medidas preventivas.

"Após o trágico acidente de (voo) ET 302 (...), a Ethiopian Airlines decidiu imobilizar toda a sua frota de Boeing 737 MAX de ontem (domingo), 10 de março, até novo aviso", informou a companhia aérea, num comunicado publicado na rede social Twitter.

“Apesar de ainda não sabermos as causas do acidente, decidimos imobilizar esta frota em particular, como uma medida extra de segurança”, reforça a companhia, que detém outros seis aparelhos do modelo em causa.

Pequim ordenou às companhias aéreas chinesas que suspendam todos os voos com Boeing 737 MAX. A Administração de Aviação Civil da China (CAAC)argumenta que “dados os dois acidentes que envolveram dois Boeing 737 entregues recentemente, e que aconteceram ambos durante a fase de descolagem, há um grau de similaridade”. A entidade acrescentou que esta ordem está ligada a uma política de “tolerância zero” perante ameaças à segurança.

As companhias aéreas chinesas operam com 96 Boeing 737 MAX. Toda a frota chinesa envolve mais de dois mil aparelhos.
O Boeing 737 MAX é a nova versão do “best-seller” 737, e os primeiros voos aconteceram em 2017. Até fim de janeiro, a Boeing entregou 350 aparelhos às companhias clientes e tem mais 4,661 pedidos.

A CAAC garante que a ordem só será retirada depois de contactarem a Boeing e a Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos para assegurar a segurança dos voos.

Mais tarde, a Indonésia anunciou também que iria imobilizar estes aparelhos. “O diretor geral do transporte aéreo vai tomar medidas para efetuar inspeções e interditar temporariamente o Boeing 737 MAX de voar na Indonésia”, anunciou à Agência France Presse Polana Pramesti, a responsável deste serviço dentro do Ministério indonésio dos Transportes. No país, há oito aparelhos do género a operar.

A Coreia do Sul anunciou estarem a conduzir inspeções de emergência aos dois aparelhos da Eastar Jet.

Em resposta, a Boeing afirmou que a investigação ao acidente de domingo ainda está numa fase inicial e que não há necessidade de emitir novas orientações às operadoras dos Boeing 737 MAX, baseando-se na informação que detêm até agora.

“A segurança é a nossa principal prioridade e estamos a tomar todas as medidas para compreender totalmente todos os aspetos do acidente, trabalhando próximo da equipa de investigação e de todas as autoridades regulatórias envolvidas”, refere o porta-voz da companhia, numa declaração à agência Reuters.

Tópicos:

Boeing 737 MAX, acidente, caixa negra, mortos, Ethiopian airline,

A informação mais vista

+ Em Foco

Declarações exclusivas de Valdemar Alves ao Sexta às 9, que se debruçou sobre a reconstrução após os incêndios de 2017.

O realizador italiano tinha 96 anos. Além do cinema, deixou marcas no teatro e na ópera mundial.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.