Sem a força conjunta de Espanha e Portugal não há uma Europa forte, afirmou Marcelo Rebelo de Sousa

| Mundo

|

O Presidente da República sustentou hoje que a força conjunta de Espanha e Portugal é determinante para a Europa se fortalecer em termos institucionais e no plano internacional, contribuindo para a resolução de conflitos.

Marcelo Rebelo de Sousa falava durante a sua visita de Estado a Espanha, em declarações conjuntas com o chefe do Governo espanhol, Mariano Rajoy, sem direito a perguntas da comunicação social, no Palácio da Moncloa, em Madrid, onde os dois se reuniram.

"O mundo precisa de uma Europa forte, e não há uma Europa forte se não houver, como há, esta força conjunta de Espanha e de Portugal, de Portugal e Espanha, que é um fator determinante", afirmou.

Segundo o chefe de Estado, Portugal e Espanha trabalham "em conjunto" na União Europeia, por "uma Europa mais forte em termos institucionais e no mundo, portadora de paz, portadora de soluções políticas, de soluções negociais para os conflitos mais graves do mundo".

Marcelo Rebelo de Sousa salientou "o papel do presidente do Eurogrupo e do vice-presidente do Banco Central Europeu, que são dois lugares-chave que mostram a importância do contributo espanhol e português para a construção da Europa".

"Temos uma relação excelente entre Espanha e Portugal. Queremos ter uma União Europeia excelente, à medida desta relação. E é também disso que todos os dias falam o presidente do Governo espanhol e o primeiro-ministro português, os governos espanhol e português, naturalmente acompanhados e apoiados por sua majestade o rei de Espanha e pelo Presidente da República Portuguesa", acrescentou.

Tópicos:

Moncloa,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.