Senador confirma que Trump usou linguagem imprópria

| Mundo

|

O presidente dos Estados desmentiu que tenha usado linguagem imprópria em relação ao Haiti e a países africanos. O senador democrata, Dick Durbin, confirma o uso do termo “shithole”.

Numa reunião na Casa Branca sobre uma proposta bipartidária nas questões da imigração para os Estados Unidos, Donald Trump terá dito: “Por que queremos pessoas de África aqui? Eles são países de merda. Devíamos ter mais pessoas da Noruega”.

A linguagem ofensiva de Trump não só em relação a países africanos como também sobre o Haiti, mereceu veementes condenações de todas as partes do mundo.


O presidente dos Estados Unidos já escreveu duas vezes no Twitter em sua defesa. Confirma que usou palavras duras mas não aquelas que estão a ser divulgadas pela comunicação social.



O senador democrata Dick Durbin, que estava presente na reunião, desmente o presidente e confirma o uso de linguagem “vulgar” e que falou repetidamente de países africanos com o termo “shithole” (países de merda).

Em Genebra, a delegação de direitos humanos das Nações Unidas disse que as palavras usadas são "racistas" e incitam à xenofobia.

"São comentários chocantes e vergonhosos do Presidente dos Estados Unidos. Não há outra palavra que se possa usar", disse o porta-voz Rupert Colville.

“Os comentários de Trump são extremamente ofensivos para a África do Sul”, disse por outro lado, Jessie Duarte, do ANC.

 O senador Dick Durbin estava sentado ao lado do presidente Trump. Foto: Jonathan Ernst - Reuters

O Ministério das Relações Exteriores do Botswana convocou o embaixador dos EUA como forma de protesto e considerou os comentários como "altamente irresponsáveis, repreensíveis e racistas".

Por fim, Torbjoern Saetre, um político norueguês, também decidiu responder a Trump: “Em nome da Noruega: obrigado, mas não”.

Tópicos:

Africanos, EUA, Haiti, Linguagem, Países, Twitter, Trump,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.