"Ser a mudança". O lema para o centenário do nascimento de Nelson Mandela

O que estamos dispostos a fazer e a sacrificar, cada um de nós, por um país dos nossos sonhos, um mundo melhor, foi o desafio lançado aos portugueses pelo presidente da Fundação Mandela, em entrevista exclusiva à RTP, por ocasião do centenário do nascimento de Madiba, que se assinala esta quarta-feira à escala mundial.

Neste bloco informativo especial trazemos-lhe uma série de documentos evocativos de um dos lideres mais icónicos dos nossos dias, falecido há quase cinco anos, após ter liderado a luta anti-apartheid na África do Sul e se ter transformado num símbolo global de reconciliação, defesa da dignidade, tolerância e elevação de todos à sua volta.

Destaque ainda para depoimentos exclusivos de Mac Maharaj, companheiro de prisão de Nelson Mandela em Robben Island e de Jorge Sampaio, primeiro Prémio Nelson Mandela das Nações Unidas (2015) e uma galeria de fotos inéditas de Madiba, que durante uma década acompanhou o lider histórico negro como chefe da delegação da Lusa na África do Sul e ali regressou profissionalmente, em 2013, para cobertura das cerimónias fúnebres.

Além de links para dois documentários RTP, de vida de Nelson Mandela, incluímos ainda neste dossier uma seleção de citações de Madiba e o programa alusivo ao centenário, promovido pelo IPAV, com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.
Sello Hatang
O presidente da Fundação Mandela, Sello Hatang, desafiou os portugueses a assumirem a iniciativa e responsabilidade individual de se envolverem na construção do país em que sonham viver e legar aos seus filhos.
"O que conta na vida não é o simples facto de termos existido mas a diferença que a nossa vida tenha tido na de outras pessoas" - Nelson Mandela.
Em entrevista à RTP, afirmou que essa é a melhor forma de se honrar a herança humanitária de Nelson Mandela e de lidar de forma realista e eficaz com um mundo em perda de referências.

"Pedimos três coisas às pessoas, que sejam o legado que dizem amar e que tentem ajudar a construir uma sociedade de valores", precisou Hatang. "A terceira coisa é que encontremos Madiba em nós próprios. Por outras palavras, sermos boas pessoas".


"O mundo está com problemas porque o nosso sistema de valores está desequilibrado. A solidariedade humana já não é uma prioridade", sublinhou o presidente da Fundação Mandela."As pessoas corajosas não receiam perdoar em nome da paz" - Nelson Mandela.


"Se há algo que aprendi com Madiba foi a tentar garantir a construção do país dos meus sonhos. Por outras palavras, eu devo ser responsável pelo país que quero. Devo perguntar a mim próprio, todos os dias, quando acordo, "o que estou eu a fazer para ajudar a construir o país dos meus sonhos?".

"Em Portugal têm o país dos vossos sonhos? Qual é o seu aspecto? Que precisam de sacrificar para terem esse país?", questionou.
Mac Maharaj
Um dos últimos companheiros de prisão de Nelson Mandela ainda vivos desafiou os cidadãos de todo o mundo a questionarem-se sobre o que estão dispostos a fazer em nome da sua dignidade e daqueles cujas vidas tocam."Guardar ressentimento é como beber veneno e esperar que ele mate os seus inimigos” - Nelson Mandela.

Durante um painel promovido no Estoril pela Fundação Horasis, dedicado à liderança humanizante e servidora de Madiba, Mac Maharaj, partilhou a sua própria experiência de sobrevivente a torturas, por carcereiros na Ilha-prisão de Robben, onde Nelson Mandela foi um exemplo que guardará pelo resto dos seus dias, dando-lhe forças para a tua resistir.

"Podem despir-me, espancar-me, mas só podem retirar-me a minha dignidade se eu for cúmplice disso. Se eu cooperar. Se eu aceitar isso. É a unica coisa que me resta sob as piores condições", sublinhou Maharaj."Ser livre não é libertarmo-nos das correntes mas vivermos de forma que respeita e reforça a liberdade de outros" - Nelson Mandela.


"Mandela disse ao entrar na prisão: Eu vou sair disto intocado. Foi assim que ele transformou aquilo que viria a ser a mais longa e dolorosa provação na prisão em oportunidade para olhar para si próprio e dizer: Esta é a força do inimigo; ele fará todos os possíveis para me destruir. Que tenho eu que ele não me possa tirar sem ser com a minha concórdia?".

"Creio que essa é a pergunta que todos temos de fazer a nós próprios no mundo em que vivemos; a que nos vamos agarrar para construir o futuro?
Jorge Sampaio
O andar frágil de Jorge Sampaio, ao subir para o palco principal do Centro de Conferências do Estoril, acorda à sua volta o reflexo de humanismo que o escutar das suas palavras multiplica depois."A educação é a arma mais poderosa que podemos usar para mudar o mundo" - Nelson Mandela.

O primeiro recipiente do Prémio Nações Unidas Nelson Mandela, em 2015, foi um dos oradores do painel dedicado a Madiba pela Conferência da Fundação Horasis. Destacou as conversas que os dois mantiveram - então como presidentes dos respectivos países - sobre a ocupação de Timor-leste pela Indonésia e o papel notável assumido pelo líder histórico anti-apartheid na resolução desse problema.

"Estou cada vez mais convencido de que são necessários compromissos, senão não chegamos lá. E teremos uma grande, grande dificuldade em trazer as pessoas para dentro do sistema, na forma correcta como isto tem de ser feito", sublinhou Sampaio em reconhecimento da abordagem por Mandela das situações mais problemáticas.
"Negarmos a uma pessoa os seus direitos humanos é pormos em causa a sua própria humanidade" - Nelson Mandela.

"Gostava de fazer dele duas citações, que me parecem particularmente apropriadas nos nossos dias: A maior glória em viver não está em nunca falhar mas em reeerguermo-nos sempre que cairmos. Percorri um longo caminho da liberdade. Tentei não quebrar, mas cometi erros nesse percurso".

"A outra é: Descobri que depois de subir uma montanha constatamos que há muitas outras por escalar. Acho que isso engloba uma grande visão da nossa história".
Sello Hatang
Foi a pessoa escolhida pessoalmente para gerir e transmitir às futuras gerações a sua herança documental e espólio de vida; Sello Hatang é, por isso, uma figura incontornável na entendimento desse património global, do qual destaca o valor da consistência e do positivismo na liderança."Não me julguem pelos meus sucessos mas pelas vezes em que caí e me reergui" - Nelson Mandela.

"Uma das coisas que nós líderes devemos fazer é dar esperança. Se há algo que falta nas vidas de muitas pessoas é esperança, deixando-as indiferentes", alertou Sello Hatang, durante o painel da Conferência Horasis dedicado a Nelson Mandela.

"As pessoas deixam de ligar à política porque lhes falta esperança. Mas tem de ser uma esperança com ações, do tipo estamos aqui convosco para garantir que podem ter sucesso na vossa caminhada, destacou o presidente da Fundação Nelson Mandela em Joanesburgo.

"Para muitos que não têm esperança a vida continua a ser uma lotaria",alertou, interpelado pelo moderador. "Têm êxito porque na sua vida tiraram a carta certa, quando deveria ser responsabilidade dos países e das empresas que tal aconteça".
"As minhas fotos de Nelson Mandela"



Documentário: "Nelson Mandela: os caminhos da liberdade"
Documentário: "A herança de Mandela"

Comemoração do centenário do nascimento de Nelson Mandela: programa

Fotografia de topo: Siphiwe Sibeko - Reuters