Soldado norte-coreano debaixo de fogo consegue fugir do país

| Mundo

Momento em que o soldado norte-coreano é levado para o hospital
|

Um militar norte-coreano conseguiu entrar em território sul-coreano após uma extraordinária fuga. Primeiro fugiu dentro de um veículo, mas quando um dos pneus se soltou teve de correr, literalmente, pela vida. Na zona fronteiriça desmilitarizada, conseguiu entrar na Coreia do Sul ao mesmo tempo que soldados norte-coreanos disparavam na sua direção. Está ferido, mas as autoridades sul-coreanas dizem que deve sobreviver aos ferimentos.

O soldado terá sido alvo de mais de 40 disparos de militares norte-coreanos que patrulham a fronteira. A zona está em estado de guerra desde o conflito de 1950-53, que terminou numa trégua e não num tratado de paz.


Os médicos que o assistiram dizem que retiraram cinco balas do corpo, mas deixaram outras duas. O homem deve sobreviver apesar dos graves ferimentos.

O relato da fuga indica que o soldado, a certa altura, conseguiu abrigo por trás de uma estrutura da Coreia do Sul na zona desmilitarizada. Militares sul-coreanos e norte-americanos no local conseguiram depois retirá-lo do local.

A fuga de norte-coreanos do país não é inédita, mas a maior parte deserta depois de viajar para a China. Já a fuga para a Coreia do Sul, pela zona dismilitarizada, é rara.

O ministro sul-coreano da Defesa afirmou já esta terça-feira que foi a primeira vez que soldados norte-coreanos dispararam na direção do lado sul da fronteira da zona desmilitarizada. As autoridades estão investigar a situação, com questões a serem levantadas neste momento sobre se a Coreia do Sul devia ou não ter respondido aos disparos do outro lado da fronteira.

Tópicos:

fuga, soldado, Coreia do Norte,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.